26 Fatos que Você não Sabia sobre O Mágico de Oz

2417

O Mágico de Oz é um dos filmes de maior sucesso de todos os tempos e alçou Judy Garland como um dos maiores fenômenos do cinema. Escrito por L. Frank Baum e publicado pela primeira vez em 1900, ganhou sua primeira adaptação três anos depois. Selecionamos alguns fatos que você provavelmente não sabia sobre o filme.
1. Trezentos e cinquenta anões foram contratados para fazerem os papéis dos habitantes de Munchkinland. Eles ganharam 50 dólares por semana enquanto que Totó recebia 125 pelo mesmo período.

2. O papel da bruxa inicialmente iria para Gale Sondergaard, que fez diversos testes, mas estava muito bonita para ser uma bruxa. Quem acabou faturando o papel foi Margaret Hamilton.

3. O fogo que sai do sapato de Dorothy na verdade foi feito com suco de maçã. O filme acelerado deu o efeito fazendo com que parecesse fogo.

4. Foi discutida a possibilidade de contratar Shirley Temple para o papel, mas ela sairia muito cara para o papel. Deanna Durbin também foi sondada, mas como estava em outro estúdio (Universal), a MGM desistiu, pois não queria divulgar uma estrela de concorrente. Judy faturou o papel principal.

5. O Mágico de Oz foi produzido com o que havia de mais moderno na época, o tecnicolor. Mas para não ficar tão caro, foi decidido que as partes do Kansas seriam feitas em P&B.

6. A maquiagem usada no personagem do Leão covarde incluía pedaços de papel marrom. Sua roupa pesava mais de 90 quilos e era muito quente. A união disso com a temperatura da iluminação fazia com que ele suasse profundamente durante as filmagens e saísse ensopado no final do dia. Duas pessoas passavam a noite lavando o traje a seco para ser usado no dia seguinte. Não tinha um cheiro muito agradável.

7. Nos primeiros testes de roupas, Dorothy aparecia de cachinhos dourados. Quando o diretor a viu, arrancou a peruca, tirou a maquiagem dela, escolheu também um vestido mais simples. Estava pronta.

8. O vapor que sai do chapéu do Homem de lata assusta Totó que corre pra fora da cena. E olha que Terry, o cãozinho, era bem profissional.

9. No início o ambiente era bem hostil para Judy. Os atores Bolger e Haley gostavam dela, mas tinham medo que ela ofuscasse suas aparições. Mas ela estava sempre gentil e educada, tratando a todos por senhor. Anos depois a atriz falou que nessa cena abaixo eles ficavam empurrando-a para aparecerem mais que ela.

10. Judy Garland não conseguia parar de rir nessa cena em que Dorothy bateu no Leão Covarde. O diretor Victor Fleming a levou para um canto e deu-lhe um tapa. Ela voltou para o set e fez a cena em uma única tomada. No final ela ainda pode ser vista sufocando o riso.

11. Judy tinha 16 anos quando o filme foi realizado e usou um espartilho bem apertado, que tentava esconder os sinais de uma adolescência, afinal a Dorothy deveria ter 10 anos. O espartilho era muito doloroso para ela.

12. A maquiagem do espantalho consistiam em parte de uma prótese de borracha com um padrão que parecia com um pano. A prótese facial usada por Ray Bolger deixaram um padrão de linhas em seu rosto que levou mais de um ano para desaparecer.

13. Margaret Hamilton era fã dos livros de Oz e ficou em êxtase quando a convidaram para o filme. Quando ela ligou para o agente para saber qual o papel que estava sendo cogitado para ela, o agente lhe respondeu simplesmente: “Para o da bruxa, qual mais?”.

14. A maioria das cenas feitas pela Bruxa má teve que ser editada ou cortada, pois foram consideradas assustadoras para as crianças.

15. Após a estréia foi decidido que duas canções seriam cortadas: “The jitterbug” e “Over the rainbow”. Na última hora foi decidido que “Over the rainbow” ficaria. Com relação a “The jitterbug”, ainda restam fragmentos gravados numa câmera caseira, e quem viu diz que ela não se encaixava direito no filme.

16. O óleo usado para lubrificar o Homem de Lata era na verdade calda de chocolate, já que óleo não fotografaria bem.

17. Liza Minnelli, filha de Judy Garland, se casou com Jack Haley Jr., filho de Jack Haley, ator que interpretou o Homem de Lata.

18. Os cavalos foram pintados com pó de gelatina Jell-O.

19. Judy Garland queria muito adotar Terry, cão que fez Totó. Mas seu dono não deixou, já que tinha outros planos para o cãozinho. Totó apareceu em vários outros filmes e faleceu em 1945. Ganhou um monumento em sua homenagem.

20. Na segunda tomada dessa cena a explosão atingiu o rosto de Margaret. A maquiagem aquecida causou queimaduras em suas mãos e rosto. Mais tarde foi descoberto que um dos componeses chave da make era o cobre. Os produtores acabaram usando a primeira tomada. Ops. Nós vemos claramente um buraco sendo aberto na cena em que a Bruxa malvada desaparece.

21. O vestido branco da Dorothy na verdade era rosa claro, que era a cor que fotografava melhor em technicolor.

22. Totó ficou preso na corda da cortina, e Dorothy pode ser vista desvencilhando o cãozinho nessa cena.

23. Ray Bolger foi originalmente escalado para fazer o Homem de Lata, mas ele insistiu em fazer o Espantalho, que era seu personagem favorito. Buddy Ebsen que iria fazer o Espantalho trocou de papel com ele e foi escalado para ser o Homem de Lata. Porém, a maquiagem continha pó de alumínio e Buddy teve uma enorme alergia e foi internado graças ao pó que entrou em seus pulmões. Foi dispensado sem maiores explicações e substituído pelo Jack Haley. Buddy considerou tal ato uma humilhação.

24. O professor Marvel não devolve a fotografia de Tia Em.

25. Havia uma lenda urbana que dizia que um dos atores que fazia os Munchkins cometeu suicídio e que seu cadáver pode ser visto pendurado em uma árvore no filme. No entanto isso nada mais é do que um grande pássaro abrindo suas asas. Havia vários deles na cena.

26. Os sapatos de Dorothy originais do livro são prateados. Porém no filme foram alterados para vermelho e ficaram conhecidos como os sapatinhos de rubi.

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCasa, Comida e Carinho (1950)
Próximo artigoA Última Casa de Marilyn Monroe
Especialista em Cinema Clássico e Crítica Literária, é sobretudo uma curiosa. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda o cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.