Jennifer Jones, o Retrato de uma Atriz

608

Se seu casamento com o produtor David Selznick a favoreceu na hora da escolha dos melhores papéis, ela, por sua parte, era uma ótima atriz. Aos 25 anos de idade, Jennifer Jones recebeu seu primeiro Oscar. Conheça um pouco mais de sua história.

Phylis Lee Isley nasceu em  2 de março de 1919 em Tulsa, Oklahoma. Filha única do casal Philip e Flora, viajou desde cedo em companhia dos pais que tinham uma barraquinha de shows de talentos. Antes de se tornar a atriz que ficou conhecida como Jennifer Jones, ela cursou no American Academy of Dramatic Arts em Nova York e acabou conhecendo outro aspirante a ator: Robert Walker.

Robert Walker e Jennifer Jones, 1944

Após um breve namoro, Robert e Jennifer se casaram em 1939. Após um breve retorno a Tulsa, o casal seguiu para Hollywood, onde tentavam papéis em filmes. Em 1940 tiveram o primeiro filho, Robert Walker Jr., um ano mais tarde nasceria o segundo filho do casal, Michael Walker (1941 – 2007).

Enquanto Jennifer aparecia em pequenas participações nos filmes e trabalhava como modelo, Robert se apresentava em programas de rádio. Conhecer David O. Selznick, responsável por sucessos como E o Vento Levou (1939) e Rebecca (1940),  fez com que a vida do casal mudasse drasticamente.

Robert e Jennifer com os filhos

Selznick favoreceu também a carreira de Robert, mas o casamento deste com Jennifer estava completamente acabado. Oficialmente, eles se divorciariam apenas em 1945, mas o romance de Jennifer com David iniciara anos antes, provavelmente por volta de 1943.

Robert faria filmes como O Ponteiro da Saudade (1945) e Pacto Sinistro (1951), e logo começou a sofrer com problemas psiquiátricos. Foi internado algumas vezes na famosa clínica Menninger, mas jamais se recuperou completamente de sua depressão, falecendo aos 32 anos após uma combinação acidental de remédios com álcool. Após ver que ele sofrera um colapso nervoso, sua empregada chamou seu psiquiatra que lhe aplicou uma forte dosagem de remédios.

David, Jennifer e a pequena Mary

Jennifer soube que estavam sendo realizados testes para um papel em uma peça teatral, e correu para o escritório do produtor. Impressionou profundamente Selznick, que mandou sua secretária entrar em contato com a atriz que acabou assinando um contrato de 7 anos. Pouco tempo depois ela se transformava na estrela Jennifer Jones.

A Canção de Bernadette (1943) foi o primeiro filme de sucesso foi também aquele que lhe garantiu o único Oscar. A jovem atriz completou 25 anos na noite da entrega do prêmio. Durante as filmagens, ela se tornaria muito próxima ao ator Charles Bikford. A amizade entre os dois seria tão grande que mais tarde, quando soube da morte dele em 1967, Jennifer tentou o suicídio.

Recebendo seu único Oscar

Era o início de uma carreira com grandes sucessos, todos meticulosamente escolhidos por David Selznick, com quem finalmente casou em 1949 a bordo de um iate na Itália. Apesar do que se possa pensar, Jennifer podia ser de fato favorecida pelo casamento ilustre. Ela também ter um emocional desestabilizado, mas também era uma boa atriz de fato e  carregou a imagem de personagens em filmes como:

Duelo ao Sol (1946)
O Retrato de Jennie (1948)
Madame Bovary (1949)
Suplício de uma Saudade (1955)

Ela receberia o total de mais quatro indicações ao Oscar, mas não ganharia mais nenhum. E se os filmes eram escolhidos a dedo, seus parceiros de tela também o eram. Ela contracenou ao lado de atores como John Garfield, Charles Boyer, Gregory Peck, Humphrey Bogart, Montgomery Clift, Rock Hudson, Laurence Olivier e William Holden, dentre outros.

Ela e Selznick teriam uma filha,  Mary Jennifer, nascida em 1954. A filha do casal cometeria suicídio mais tarde, em 1976, ao se atirar do prédio. Após a morte do marido em junho de 1965, Jennifer se aposentaria das telas, voltando somente mais uma vez, ao fazer uma participação em Inferno na Torre (1974).

Com Norton Simon, seu último marido

Após enviuvar de Selznick, ela se casaria uma última vez, em 1971, com o industrial e colecionador de obras de artes Norton Simon. O casamento duraria até a morte dele em 1993. O filho de Norton também cometera suicídio. O fato de estar rodeada de tantos problemas mentais fez com que Jennifer se interessasse sobre o assunto, dedicando boa parte do seu tempo a estudos sobre o tema. Ela assumira  o cargo de presidente após o marido ter sido diagnosticado com a síndrome de Guillain-Barré. Ele faleceu em 1993, aos 86 anos.

Jennifer Jones era extremamente tímida, e passava a imagem de ser distante do público. Concedeu poucas entrevistas em sua vida e passou seus últimos tempos em Malibu, morando com um de seus filhos. Ela raramente concedia entrevistas ou saía em público. Jennifer Jones, era extre faleceu em 17 de dezembro de 2009, aos 90 anos de idade.

Fontes: Remembering Jennifer Jones and A Perfect Afternoon at the MoviesActress Jennifer Jones Is Found Unconscious Associate PressJennifer Jones TributeNytimesRead Jennifer Jones’s Distraught Letter to Her Husband About John Huston.

Comente Aqui!