Lina Cavalieri, A Mulher mais Linda do Mundo

1334

Lina Cavalieri se tornou a primeira cantora de ópera a aparacer em filmes,  se tornou conhecida como a mulher mais linda do mundo e morreu durante um bombardeio.

 

Lina Cavalieri nasceu em 24 de dezembro de 1874, em Rieti, na Itália. Por nascer em uma data tão especial, acabou recebendo o nome de Natalina Cavalieri. Pouco se sabe sobre seus pais e seus primeiros dias, exceto que estes faleceram quando ela era muito nova e que teria sido mandada para uma escola ou orfanato onde fora criada.

Mais provável que tenha sido mandada para um orfanato. O que se sabe é que ainda muito jovem ela estreou como cantora nos cafés de Paris. Lina tinha um futuro de estrela pela frente, e começou a se apresentar em diversas cidades da Europa.

Sua beleza sempre chamava a atenção. E por volta de 1900, quando ela tinha 26 anos, casou-se pela primeira vez, com Alexandre Bariatinsky , um príncipe russo. O casal teria um único filho, que ela chamou de Alexandre Bariatinsky Jr. O casamento duraria um só ano, e não foi empecilho para o sucesso.

Lina continuava a excursionar pela Europa. No teatro Sarah Bernhardt de Paris, cantando ao lado do conhecido tenor Enrico Caruso. A dupla partiria para a América em 1906, onde faria diversas apresentações.

A fama fez com que fosse uma das mulheres mais fotografadas de seu tempo, recebendo a alcunha de a “mulher mais bonita do mundo”. Ela se esforçava demais para isso, entregando-se à estafante rotina do uso de corseletes, que deixavam a cintura afinada e lançava a moda do corpo ampulheta. Ela dava dicas de beleza para suas fãs.

Na revista Fonfon (edição 28, ano 1910) foi publicado o decálogo da beleza, segundo Lina Cavailieri:

Mas o trabalho principal estava em sua voz. E ela tomava lições de música e canto. Sabe-se que em 1910 gravou árias de La bohème, Tosca, Carmen e algumas outras. É possível ouvir sua voz em algumas canções hoje em dia disponibilizadas na internet, mas ela pouco gravou. Confira sua voz:

 

Lina viajaria toda a Europa onde cantaria ao lado de grandes artistas de sua época como Mattia Battistini , Titta Ruffo , Feodor Chaliapin , Nikolay Figner , Antonio Scotti e Vanni Marcoux.

E não ficaria só. Ela se casaria um total de quatro vezes. A segunda vez foi com Robert Winthrop Chanler, membro da família Astor com quem ela ficaria casada entre 1910 1 1912. Mas há relatos de que o casamento na verdade só durara poucas semanas. A terceira vez que ela casou foi com o tenor Lucien Muratore e com quem se manteria entre 1913 a 1927. Foi provavelmente seu relacionamento mais longo. Seu terceiro marido seria Paolo d’Arvanni, que se uniria a ela em algum momento do 1940’s e ficaria com ela até a morte de ambos.

Em 1914 Lina fez  sua estreou nas telas em Manon Lescaut. Nos próximos anos Lina seria creditada em um total de oito filmes que a tornariam a primeira cantora de ´pera a atuar no cinema. Alguns feitos na Itália, outros nos Estados Unidos, todos tem algo em comum: foram perdidos. É uma verdadeira pena que tantos filmes foram perdidos.

Após se aposentar dos palcos, Lina abriu um salão de cosméticos em Paris. Aos 40 anos, escrevia conselhos de beleza em seu livro “My Secrets of Beauty” e lançou em 1926 seu próprio perfume, o “Mona Lina”, inspirado na Mona Lisa e nela própria.

Quando explodiu a Segunda Guerra Mundial Lina tinha já 69 anos, mas servia como enfermeira voluntária. Durante um dos comuns bombardeios em Florença, ela se preparava para escapar para o abrigo aéreo quando sua casa foi bombardeada. Dizem que, tanto ela, quanto o marido, morreram por tentar guardar suas jóias antes de escapar, e que não teria dado tempo. Em 8 de fevereiro de 1944, morria a mulher mais linda do mundo, vitimada pela guerra.

Nos Cinemas

Em 1955 foi lançado A Mulher Mais Linda do Mundo (La Donna Piú Bella Del Mondo), com Robert Z. Leonard trazendo uma história totalmente fictícia sobre Lina Cavalieri. Como protagonista, a bela Gina Lollobrigida (como Lina) e Vittorio Gassman, como o Príncipe russo Sergio Bariatine.

Segundo o roteiro criado por Giuseppe Cavagna e outros, Lina é uma inocente garota que parte para a música após sua mãe de criação morrer, e que esbarra aqui ou ali com o belo príncipe.

Ela se torna uma grande cantora, e o romance deles é feito de idas e vindas. O príncipe russo seria inspirado claramente no primeiro marido de Lina, Alexandre Bariatinsky, mas esqueceram completamente dos demais maridos, e filho.

Gina estava no auge de sua beleza, e essa foi de fato exaltada com os lindos figurinos e uma fotografia, vejam bem, feita por Mario Bava. Mas não há como evitar comparações desse tipo de história com outra estrelinha das telas que se especializou nesse tipo de filme, Sara Montiel.

Basicamente o esqueleto do filme é o mesmo utilizado nas mais famosas histórias protagonizadas pela estrela espanhola. Uma pena foi a sub-utilização na história do excelente ator Vittorio, mesmo sendo seu personagem destinado às idas e vindas do roteiro.

De qualquer maneira, é uma boa maneira de vislumbrar a bela dupla em cena, e também prestigiar a história imaginando o que ela teria em comum com a verdadeira Lina.

*  O filme foi lançado em dvd pela Classicline e pode ser adquirido diretamente no site da distribuidora. Clique na imagem abaixo para conferir:

 

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMelhores Filmes de Louis Malle
Próximo artigoA Dama das Camélias (1936)
Formada em Letras, Design e Especialista em Estudos cinematográficos. É sobretudo uma curiosa sobre o cinema. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.