A Tragédia de Sharon Tate

6953

Sharon Marie Tate nasceu em 24 de janeiro de 1943 em Dallas (Texas, EUA), além de ser uma das mulheres mais bonitas de Hollywood da década de 60, foi uma atriz de muitas participações em filmes e de três trabalhos notáveis no cinema: Não Faça Onda (1967), O Vale das Bonecas (1967) e A Dança dos Vampiros (1968). Ela era a filha mais velha do coronel Paul Tate e da dona de casa, Doris Tate. Com apenas 6 meses (esse prodígio todo), baby Sharon ganhou seu primeiro concurso de beleza sendo coroada Miss Tiny Tot de Dallas. Mas a beleza era algo que tinha de mais notório, claro, além do seu talento para interpretar, que infelizmente não pode ser mais explorado nem elogiado devido ao seu brutal assassinato em 1969. Antes de brilhar na grande tela, havia sido modelo, presença marcante em comerciais, editoriais de moda e capas de revista (tornando-se muito conhecida em seu país).


1967 foi o ano de sucesso da atriz no cinema, onde trabalhou ao lado de Tony Curtis e Claudia Cardinale na comédia Não faça onda. Sua beleza estonteante e seu corpo escultural chamaram a atenção do diretor polonês Roman Polanski, que a convidou para atuar na comédia de humor negro A dança dos vampiros (1968).

É neste mesmo ano que Roman e Sharon se casam, ela passa então a ser a senhora Sharon Marie Tate Polanski. A felicidade do promissor casal hollywoodiano daquela época é interrompida pela morte prematura de Sharon aos 26 anos, então grávida do seu primeiro filho. Então a data de 9 de agosto de 1969 marca para sempre a tão festejada Era de Aquarius com uma série de assassinatos mais chocantes da história americana, tornando-se conhecidos como “O Caso Tate – La Bianca”.

Sharon ao lado de seu marido Roman

Sharon Tate foi vítima de Charles Manson, fundador de uma seita conhecida como Família Manson. A casa 10050 onde a atriz morava em Cielo Drive (Califórnia) fora invadida por quatro hippies. Ela foi assassinada for Charles Watson, que anos mais tarde contou em sua biografia que a esfaqueou 16 vezes, enquanto ela implorava para que ao menos deixasse ter seu filho. As últimas palavras que balbuciou antes de morrer foram: “Mãe… mãe…”

O caso que fechou de negro a década “paz e amor”

No dia 9 de agosto de 1969, quase madrugada, um homem e quatro mulheres subiram no poste telefônico e cortaram a linha da 10050 Cielo Drive. O motivo era macabro: todos estavam ali a mando de Charles Manson, mentor espiritual do grupo. E quem eram aqueles jovens? Charles “Tex” Watson (23), Susan Atkins (21), Linda Kasabian (20) e Patricia Krenwinkel (21). Eles estavam lá para cometer um crime hediondo, a ordem era para destruir a casa do músico Terry Melcher (o real desafeto de Manson e proprietário do imóvel) e matar todos que estivessem por lá. E isso foi feito.A origem de tudo estava na obsessão que Manson tinha por Melcher, pois na época em que se conheceram, Charles Manson era um compositor de Rock iniciante e queria lançar seu trabalho, o que não foi aceito pelo empresário. Em 1969, Mason descobre que Terry já não residia em Cielo Drive, e ao constatar quem são os reais moradores (o casal Polanski) planeja a destruição do lugar e de quem estiver por lá. No dia do brutal assassinato de sua esposa, Roman Polanski estava rodando um filme em Londres.

Segundo relatos o primeiro a morrer no sangrento 9 de agosto de 1969, foi o amigo do caseiro da mansão Steven Parent, que só perguntou o que aquelas pessoas estranhas faziam ali (assim que viu os quatro jovens hippies se aproximando) e foi recebido com cinco tiros à queima-roupa. As próximas vítimas do grupo foram: a herdeira milionária de uma empresa de café, Abigail Folger, seu namorado, o polonês Wojciech Frykowski, o cabeleireiro Jay Sebring e a atriz e sex-simbol Sharon Tate, grávida de oito meses, que naquele dia recebia em sua residência pessoas de seu círculo de amizades.

Os jovens quando concluem a macabra tarefa empapam uma toalha com o sangue dos mortos e escrevem a palavra PIG (“porco”) na porta de entrada principal e depois voltam para o rancho onde residiam com o mentor Manson, lá eles contam o que fizeram. E segundo relatos policiais da época Manson teria dito ao seu grupo que aquilo ainda não foi do jeito que ele queria, pois esperava algo “mais caprichado”.

No dia seguinte, mais uma série de assassinatos é planejada e executada friamente por Charles Manson, pois tudo o que ele desejava era “o máximo de crueldade”, por isso, não estando muito satisfeito envia o mesmo grupo para a mansão do casal de empresários Leno e Rosemary La Bianca, daquelas pessoas que estiveram na propriedade de Terry Melcher ele só substitui Linda Kasabian por uma outra bad-girl, a Leslie Van Houten de 19 anos. E realmente os La Bianca são mortos a facadas e mutilados, o grupo repete a mesma ação de Cielo drive escrevendo nas paredes com o sangue das vítimas. A polícia levou meses investigando os assassinatos e chegou aos verdadeiros autores dos crimes. Eles são condenados à pena de morte, mas depois conseguiram comutação para prisão perpétua, devido à abolição da pena de morte no Estado da Califórnia naquele ano.

A mãe de Sharon Tate cria uma fundação para ajudar a todas as pessoas que tiveram parentes vítimas de crimes bárbaros. Doris Tate ao descobrir-se doente passa a administração da fundação para a sua filha mais nova Patrícia Tate, mesmo nos últimos dias de sua vida, a mãe de Sharon se dedicava à causa, morrendo em 1992. Patrícia Tate morre em 2000, vítima de câncer de mama e a atual responsável pela fundação e memória da atriz assassinada é a irmã do meio Debra Tate.

Charles Manson hoje com 81 anos ainda é vivo e cumpre pena assim como todos envolvidos no “Caso Tate – La Bianca”. O pior castigo ficou para Susan Atkins, que mesmo tendo obtido 16 pedidos para liberdade condicional (todos negados), teve que amputar uma perna e padeceu de câncer de cérebro em 2009. Ninguém até hoje foi solto.

Por Magda Miranda

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorOs Melhores Filmes de Cary Grant
Próximo artigoBiografia de Raj Kapoor
Especialista em Cinema Clássico e Crítica Literária, é sobretudo uma curiosa. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda o cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.