Deborah Kerr de A a Z

641

Audrey Hepburn: O diretor William Wyler comentou certa vez que considera Audrey Hepburn uma princesa, mas que Deborah é uma verdadeira rainha. Curiosamente as duas estudaram balé na infância. Não eram amigas mas tinham um respeito mútuo.


Balé: Deborah dedicou boa parte de sua vida a essa grande paixão. Iniciou os estudos em Bristol, ganhando uma bolsa para o ballet Wells Sadler de Ninette de Valois. Sua primeira apresentação nos palcos veio em 1938 no Sadle’s Wells, mas notou-se que ela não tinha tão grande talento para a dança, embora amasse. Resolveu dedicar-se à carreira de atriz.
Com Van Johnson em The End of the Affair
Casamentos: Deborah casou-se duas vezes. A primeira com Anthony Bartley, em 1945. O casal teve duas filhas,  Francesca (nascida em 1947) e Melanie (nascida em 1951). O casamento terminou em 1959. No ano seguinte ela casaria com Peter Viertel, com quem ficaria até o final de seus dias.
Com Anthony
Doença: Nos últimos anos de sua vida a atriz foi acometida do mal de parkison. A doença se caracteriza por uma perda progressiva dos movimentos devido à disfunção dos neurônios secretores de dopamina.
O Rei e Eu
Estréia: Sua estréia como atriz ocorreu nos palcos do Air Theatre, em Londres. Posteriormente a atriz se apresentou na França, Bélgica e Holanda. No cinema a estréia veio com o filme britânico Contraband, de 1940. Mas sua participação acabou sendo cortada.
Com Robert Taylor em Quo Vadis (1951)
Filme de sucesso: sua participação em Narciso Negro (1947), Michael Powell acabou por chamar a atenção dos produtores de Hollywood que lhe convidaram para participar de produções na América. No filme ela interpreta uma freira que tem como finalidade estabelecer um novo convento no alto do Himalaia.
Narciso Negro
Gravidez: a atriz sofreu um aborto espontâneo em 1961 quando estava com 2 meses de gravidez. O filho seria de seu segundo marido, Peter.
Suas duas filhas, Melanie e Francesca

Homenagem: Deborah foi homenageada pela Rainha do Reino Unido recebendo a Ordem do Império Britânico.

Itália: a atriz era dublada na Itália por Lidia Simoneschi e Renata Marini.

The Life and Death of Colonel Blimp

Jamais esquecida: Deborah e  Burt Lancaster protagonizaram uma das cenas mais icônicas do cinema em A Um Passo da Eternidade (1953). A cena da praia, onde o casal se beija enquanto as águas molham seus corpos, foi incansavelmente lembrada, imitada e parodiada em muitos outros filmes.

Lancaster: Burt afirmou posteriormente que ele e Kerr estavam envolvidos amorosamente durante as filmagens de  A Um Passo da Eternidade (1953). A atriz, que no período era casada com Anthony, sempre negou a afirmação do colega.

Maureen O’Hara:  Após a atriz irlandesa Maureen O’Hara ter sido sondada para interpretar a personagem Anna em O Rei e Eu (1956), Yul Brynner solicitou que o papel fosse para Kerr, sua amiga de longa data. O filme acabou se tornando um enorme sucesso. Deborah recebeu um Globo de Ouro por sua performance.

Nascimento: Deborah Jane Kerr-Trimmer nasceu em 30 de setembro de 1921 em Glasgow, Escócia. Filha  de Kathaleen Rose e o capitão Arthur Charles Kerr-Trimmer, um veterano que perdeu uma das pernas na batalha do Somme, tinha ainda um irmão mais jovem chamado Edmund.

Oscar: A atriz foi uma das quatro personalidades escocesas a ter recebido indicações para o Oscar. Os demais são Mary Ure, Tom Conti e Sean Connery. Connery foi o único a receber o prêmio por sua atuação em Os Intocáveis (1987). A atriz detém o maior número de indicações ao Oscar de Melhor atriz sem vencer (seis). Em 1994 recebeu um Oscar honorário apresentado por Glenn Close. Na ocasião foram exibidos clipes de filmes em que ela participou.

Personagens constantes: Por causa do seu porte e tez delicada, a atriz era chamada constantemente para interpretar grandes damas inglesas. Suas personagens em sua maioria eram reservadas e nobres senhoras.

Queridos: ” From Here to Eternity “, ” Edward, my son ” e” The Innocents. ” eram os filmes preferidos de Kerr.

Deborah Kerr e Cary Grant recebem a visita de Janet Gaynor nos sets de “Tarde Demais para Esquecer”
Revista Photophay: a revista chamou Deborah de a “atriz mais famosa do mundo” em sua edição de 1957. Isso se deu após a mesma ter alcançado fama internacional após sair da Inglaterra e firmado a carreira em Hollywood.
Substituta: a atriz conseguiu o papel em A Um Passo da Eternidade (1953) após Joan Crawford não chegar a um acordo com os estúdios. O filme foi significativo na carreira de Kerr, que finalmente fazia um papel em que podia mudar o esterótipo de ladie. No filme ela interpreta uma esposa adúltera que tem um caso com Burt Lancaster.
A atriz em The Corn Is Green
The Corn Is Green: Deborah desenvolvera um medo dos palcos quando voltou ao tablado para interpretar The Corn Is Green. Sua performance com isso ficou abalada e a atriz recebeu várias críticas negativas. O papel já tinha sido interpretado por Bette Davis nas telas.
Uma frase: “Eu não sou muito boa sendo eu mesma. Talvez por isso me sinta bem interpretando outras pessoas”.
The Sundowners (1960)
Velhice: Após a aposentadoria a atriz passou a viver entre a Suíça e a Espanha com seu marido. Mas com o avanço de sua doença, voltou a morar na Inglaterra para que pudesse ser cuidada por sua família. Deborah morreu em Suffolk, em 16 de outubro de 2007 aos 86 anos, cercada de amigos e parentes. Deixou viúvo seu marido, que faleceu um mês depois.
Deborah e Peter, seu segundo marido

X: A atriz foi homenageada no Festival de Cannes de 1984, e no ano seguinte realizou seu último filme: The Assam Garden.

Z: A atriz, que aparece nesta foto tomando um sorvete, muito provavelmente fez a foto para alguma publicidade, já que ela odiava sorvetes. Com os dentes sensíveis, dizia que eles sempre doíam quando ela tomava um.

Comente Aqui!