Vivien Leight de A a Z

725

Aborto: Quando filmava “Cesar e Cleopatra”, a atriz caiu no set e sofreu um aborto. Foi também durante esse período começaram a surgir os primeiros sintomas de sua doença emocional.

Blanche Dubois: personagem de Tennesse Williams, interpretada na versão cinematográfica por Vivien, em 1951, ao lado de Marlon Brando. Várias cenas foram censuradas, sobretudo as que envolviam uma maior tensão sexual entre Leigh e Brando.

Carreira: 30 anos, 19 filmes e 2 Oscars.

Darjeeling, na Índia: local onde Vivien nasceu em 5 de novembro de 1913. Faleceu em 7 de julho de 1967, de tuberculose, em Londres. Tinha apenas 53 anos.

Escorpião: seu signo no horóscopo.

Fire Over England: Primeiro filme em que atuou ao lado de Laurence Olivier, seu segundo marido.

Grave doença: Em 1964 Vivien viveu seu último papel no cinema, “A nau dos Insensatos”, onde interpretava uma mulher de idade avançada, com dificuldades para aceitar a sua idade. Durante as filmagens a atriz teve novos problemas de saúde, passando por mais tratamentos de choque, sendo obrigada a ausentar-se dos sets por estar tremendo em algumas cenas.

Herbert Leigh Holman: advogado com 12 anos a mais que Vivien, se tornaria seu primeiro marido quando ela tinha 19 anos, e pai de sua única filha. Mesmo após a separação, ela conservou o sobrenome.

Incontrolável: a atriz fumava quatro carteiras de cigarro por di.

Jovem: Olivier, depois de anos de vida em comum, trocou Vivien por uma mulher mais jovem. Segundo ele, a pressão tornava-se quase insuportável, e ele dizia que Vivien havia lhe dado alguns dos melhores momentos de sua vida, e também alguns dos piores.

Karenina: Anna Karenina, ao lado de Ralph Richardson, acabou sendo um de seus maiores freacassos no cinema.

Lester: seu papel preferido foi o de Myra Lester, no filme Waterloo Bridge (1940).

Maníaco-depressiva: Nas clínicas, a atriz passava por tratamentos de choque, que se tornavam ineficientes.

Nervos: a atriz, diagnosticada como maníaca depressiva, sofreu durante anos com ataques que se tornavam cada vez mais difíceis de esconder. Suas mudanças de humor fazia com que em momentos de fúria quebrasse janelas, atacasse pessoas, fizesse cenas para depois se desculpar quando se acalmava. . Para esquecer os problemas emocionais, ela passaria a trabalhar cada vez mais e mais.

Olivier: segundo marido, que ela conheceu durante as filmagens de “The mask of Virtue”. Os dois iniciaram um romance, apesar de ela ainda ser casada com Holman. Foi um relacionamento problemático no início, pois ambos eram casados e com filhos.

Primeira performance: foi aos 3 anos, recitando poesias para o pai. Aos 6, sua mãe achou que ela deveria ter uma educação inglesa, e a garota foi mandada para um convento, onde permaneceu longe da família. ela fazia pequenas peças, tornando-se uma das garotas mais populares da escola.

Queridos bichinhos: Vivien era apaixonada por gatos, principalmente siameses.

Romance inesquecível: Mesmo depois de ter se separado de Olivier, a atriz mantia em sua penteadeira a foto do ator. Até sua morte foi tratada como Lady Olivier.

Suzanne Farrington: sua única filha. Vivien abriu mão da guarda da filha para se casar com Laurence Olivier. Suzanne lhe deu três netos.

Things Are Looking Up (1935): Primeiro filme em que fez uma participação.

Uma coitada: foi o comentário dito por Olivier ao saber da morte de Vivien. O ator referia-se aos sofrimentos que ele presenciara por causa da depressão da ex-esposa.

Verdadeiro nome: Vivian Mary Hartley. O nome foi mudado por sugestão do produtor de The Mask of Virtue (1935). Vivling era seu apelido.

Xi: Segundo Olivier, em biografia, seus romances extra-conjugais começaram quando Vivien declarou a ele que não o amava mais como um homem, e sim como um irmão. Ele afirmou ainda que andava sempre ao seu lado para evitar que ela se metesse em alguma encrenca, por causa de seus problemas emocionais.

Y: O filme “The V.I.P.s” (1963) foi baseado em um incidente seu com Olivier, quando ela estava prestes a abandonar o marido pelo ator Peter Finch.

Z: Suas medidas em 1939 eram 32A-23-33.

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFrases de Audrey Hepburn
Próximo artigoWoman of the Sea – O Filme Perdido de Charles Chaplin
Formada em Letras, Design e Especialista em Estudos cinematográficos. É sobretudo uma curiosa sobre o cinema. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.