Melhores Filmes de Ben Gazzara

271

Sua carreira teve início nos palcos, mas ele se tornou muito conhecido pelo grande público por sua parceria com John Cassavetes.

Biagio Anthony Gazzara, descendentes de imigrantes italianos, nasceu em 28 de agosto de 1930 em Nova York. Desde cedo demonstrou interesse em iniciar uma carreira artística. Após estudar no Actors Studio, participou de vários espetáculos na Broadway. Um deles foi Gata em Teto de Zinco Quente, onde foi dirigido por Elia Kazan. Mesmo tendo sucesso nos palcos, foi reprovado no teste para o filme. O papel acabou ficando com seu colega Paul Newman. Mas Gazzara teria seu lugar de destaque, tendo seu primeiro papel de destaque em O Rancoroso /The Strange One (1957), de Jack Garfein.

Ben Gazzara e Clifton James em The Strange One (1957)

Mas, segundo o ator, sua carreira seria mudada definitivamente após ele conhecer John Cassavetes. Este lhe forneceu papéis que exigiam sua atenção e crescimento, tornando-o memorável em cinco filmes do diretor. Essa parceria foi vital para que ele continuasse acreditando em si como um ator. Gazzara participou de cerca de 133 produções ao longo de seis décadas de carreira.

O ator foi diagnosticado com câncer em 1999, mas ainda apareceria em filmes recentes como Dogville (2003) e a série Lei e Ordem. Gazarra faleceu em 3 de fevereiro de 2012, no mesmo dia do aniversário de morte de seu amigo John Cassavetes. Confira uma lista com seus melhores filmes:

Anatomia de um Crime (1959), de Otto Preminger: Paul Biegler, um advogado desacreditado, recebe a incubência de defender um tenente do exército acusado de assassinar o homem que teria violentado sua esposa. Durante o julgamento, Biegler descobre que o caso depende exclusivamente de um misterioso sócio da vítima, que guarda um segredo. Com James Stewart e Lee Remick.
Preceito de Honra (1961), de Phil Karlson: Dois patologistas, um experiente e outro mais jovem, entram em conflito a partir de dois casos dos quais estão cuidando. 
Obsessão de Amar (1965), de Walter Grauman: Grace vive ao lado de sua mãe viúva, e mostra dificuldades em se relacionar com homens. Seu comportamento intriga e revolta seus parentes. Um belo dia ela conhece um gentil fazendeiro. Muitas surpresas ainda estão por vir.  Com Suzanne Pleshette.
A Ponte de Remagen (1969), de John Guillermin: O tenente Phil Hartman e seus homens recebem ordens para avançar até a cidade alemã de Remagen. Enquanto isso, o major Paul Kreuger, das forças armadas alemãs, precisa defender a cidade e a ponte sobre o Reno, que dá acesso a ela.
Os Maridos (1970), de John Cassavetes: A morte de um amigo reúne três homens de meia-idade, todos casados. Deprimidos, eles vagueiam pela cidade, jogam basquete e se embebedam. Depois do encontro eles irão reconsiderar suas vidas.
Capone, o Gângster (1975), de Steve Carver: O filme traz uma visão sobre o crime organizado nos Estados Unidos. Ben Gazzara surge como um dos mais conhecidos gangsters da história. 
A Morte de um Bookmaker Chinês (1976), de John Cassavetes: Cosmo Vitelli (Ben Gazzara) é o dono de uma boate de striptease em Los Angeles. Sem dinheiro para pagar uma alta dívida contraída no jogo de pôquer, Cosmo é obrigado pela máfia a matar um bookmaker chinês para quitá-la. Para cumprir sua tarefa Cosmo decide se infiltrar no submundo do crime e do jogo.
Noite de Estréia (1977), de John Cassavetes: Myrtle Gordon (Gena Rowlands) é uma famosa atriz de meia idade, que passa por uma crise de identidade por se sentir culpada pela morte de uma ardorosa fã na estréia de sua nova peça teatral. Myrtle passa a ver a mulher em alucinações e se recusa a aceitar o papel de uma mulher que envelhece.
A Herdeira (1979), de Terence Young: O poderoso magnata das empresas Roffe é assassinado. Sua filha Elizabeth se torna presidente e, como seu pai, se nega a transferir o controle da empresa para os bancos suíços. Os demais parentes perdulários, que, como acionistas, esperavam se beneficiar financeiramente com a grande operação, ficam descontentes. E, também como aconteceu com seu pai, Elizabeth começa a ser perseguida por um assassino.
Dogville (2003), de Lars von Trier: O cenário está elegantemente decorado para criar um ambiente de cidade pequena na qual uma misteriosa mulher chamada Grace se esconde de criminais que a perseguem. A cidade se dispõe a refugiar Grace desde que ela faça valer o seu esforço. Ela trabalha duro para várias pessoas da cidade para obter seus favores. A tensão cresce e a situação de Grace como forasteira provoca o desprezo e o abuso dos moradores. Com Nicole Kidman.

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTributo a Donald O’Connor
Próximo artigoGaleria de Fotos de Dina Sfat
Formada em Letras, Design e Especialista em Estudos cinematográficos. É sobretudo uma curiosa sobre o cinema. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.