Melhores Filmes de James Cagney

270

Considerado um dos melhores atores do cinema clássico, James Cagney nasceu Nova York em 17 de julho de 1899. Após estudar artes na Universidade de Columbia, estreou na vaudeville interpretando uma personagem feminina. Quando fazia “Penny Árcade”, na Broadway, foi convidado a fazer um teste para a Warner. Sua estréia nas telas veio com “Sinner’s Holiday” (1930), mas seu primeiro papel de destaque só viria com “The public Enemy” (1931), onde atua com a platinum Jean Harlow. Com “Angels with dirty faces” recebeu sua primeira indicação ao Oscar, perdendo para Spencer.

Em 1942, Cagney fundou, juntamente com seu irmão William, sua própria companhia, e estreou como diretor em “Short cut to hell”. Fundou o Sindicato dos Atores e permaneceu como Presidente do mesmo por 2 anos. Na década de 60 despediu-se das telas em “One, two, three” de Billy Wilder, afastando-se do cinema e deixando um legado de 60 filmes e duas indicações para o Oscar. James faleceu aos 86 anos, de ataque cardíaco em 30 de março de 1986. Confira alguns de seus melhores filmes:

Inimigo Público (The Public Enemy, 1931), de William A. Wellman: Tom Powers (James Cagney) e Matt Doyle (Edward Woods) cresceram em um bairro pobre e fazem pequenos furtos. Já adultos, envolvem-se em crimes cada vez maiores. Com a chegada da lei seca, eles poderão ganhar muito dinheiro, mas o preço cobrado por isto acaba sendo alto demais. Este foi o primeiro filme de destaque de James Cagney.
Anjos de cara suja (Angels with Dirty Faces, 1938), de Michael Curtiz: Apesar de terem tido a mesma origem, Rocky (James Cagney) e Jerry (Pat O’Brien) cresceram juntos no violento, o destino deles é bem diferente. Rocky foi preso ainda na infância e acabou se tornando um criminoso. Enquanto isso, Jerry se transformou em um padre que luta para que crianças não caiam no mesmo caminho do amigo.
Heróis Esquecidos (The Roaring Twenties, 1939), de Raoul Walsh: Três amigos voltam para seus lares após o fim da primeira guerra mundial. Eles tem muitos sonhos, mas as dificuldades logo se apresentam.  Eddie e George começam a contrabandear bebida e contratam Lloyd como advogado, mas a rivalidade entre eles afetará o negócio.
A Noiva Caiu do Céu (The Bride Came C.O.D., 1941), de William Keighley: Deliciosa comédia com Bette Davis. Aqui ela é a filha de um magnata que resolve fugir com o namorado. Para isso contrata um piloto de avião. Porém, seu pai foi mais esperto, e fez um acordo com ele.
A Canção da Vitória (Yankee Doodle Dandy, 1942), de Michael Curtiz:  Através de flashbacks,conhecemos a história de George M. Cohan (James Cagney), uma lenda da Broadway que estrelou mais de 30 peças de sucesso. James Cagney recebeu o único Oscar de sua carreira com esse filme.
Fúria Sanguinária (White Heat, 1949), de Raoul Walsh: Cody Jarrett (Cagney) é um perverso líder de uma quadrilha. Ele acaba preso após sua gangue roubar um trem e matarem várias pessoas. Para escapar da morte na câmera de gás, ele usa um álibe: afirma estar ocupado cometendo um crime menor, no mesmo horário.
Ama-me ou Esquece-me (Love Me or Leave Me, 1955), de Charles Vidor: O criminoso Martin Snyder conhece a bela dançarina Ruth Etting (Doris Day) após sua demissão de uma boate. Eles começam a trabalhar juntos e ela se torna uma famosa atriz da Broadway. Mas nem tudo será uma maravilha entre eles, graças ao gênio de Martin.
Mister Roberts (1955), de John Ford, Joshua Logan, Mervyn LeRoy: O tenente Roberts (Henry Fonda) está conseguindo manter tudo sob controle no velho cargueiro militar. Dentre as pessoas que os acompanham está Frank (Jack Lemmon). Lemmon recebeu um Oscar de melhor ator coadjuvante.
O Homem das Mil Caras (Man of a Thousand Faces, 1957), de Joseph Pevney: Embora repleta de dados incorretos, o filme é uma ótima oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o legendário ator Lon Chaney, mais conhecido como “O Homem das Mil Faces”.
Cupido Não Tem Bandeira (One, Two, Three, 1961), de Billy Wilder: Logo após a Segunda Guerra, MacNamara é o diretor da Coca-Cola que vai à Alemanha para uma reunião. Ele quer fazer de tudo para impressionar seus superiores em Atlanta, pois sabe que existe uma vaga para dirigir o escritório europeu. Por isso aceita, a pedido do chefe Hazeltine, tomar conta da filha dele, a jovem Scarlett. Mas a moça é uma peste. Em pouco tempo se apaixona e se casa com Otto Piffl, um rapaz alemão e comunista. Sua tarefa será converter Piffl num capitalista e apresentá-lo ao chefe como um homem nobre. Só assim poderá conseguir sua promoção.

 

sasasas

Comente Aqui!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorBiografia de Peter Lawford
Próximo artigoO Último Discurso de Charles Chaplin em O Grande Ditador
Formada em Letras, Design e Especialista em Estudos cinematográficos. É sobretudo uma curiosa sobre a sétima arte. Fundadora do site Cinemaclássico, estuda cinema desde 2002. Ama Charles Chaplin, Raj Kapoor e navega constantemente em filmes de todo o mundo.