Lana Turner – Escândalo e Assassinato

12045

O famoso escritor americano Harold Robbins escreveu um livro intitulado “Escândalo na Sociedade”, que fala em um triângulo amoroso entre a filha, a mãe e o amante desta. O livro acabou virando filme em 1964, tendo Susan Hayward e Bette Davis nos papéis principais. Segundo relatos, a história foi inspirada livremente em um acontecimento real. No escândalo ocorrido com Lana Turner, sua filha Cheryl Crane e seu amante Johnny Stompanato. As coincidências são poucas. Mas o livro, o filme e a história real, venderam muito.

Cheryl Crane matou o amante da mãe ao enfiar-lhe uma faca de 20 centímetros no estômago do ex-gangster. No dia seguinte o escândalo já tinha tomado proporções imensas e uma Lana Turner chorosa aparecia em todos os jornais. Segundo alguns maldosos, as respostas dadas por Lana Turner no interrogatório foram tão falsas, que levaram alguns a considerar aquela a melhor performance de todos os tempos, digna de um Oscar.

Em seu livro autobiográfico, a atriz, no entanto, fala abertamente sobre a relação com o gangster e sobre os abusos que sofreu durante o período em que estiveram juntos. Stompanato a cercava com ameaças a proibindo de ver amigos e ameaçando sua vida. E em um desses acessos, sua filha, em defesa da mãe, desferiu o golpe mortal.

A performance de Lana Turner

Na audiência Lana falou que amava a filha mas não compreendia porque ela tinha feito isso, chorou piedosamente durante todo o interrogatório. A custódia de Cheryl, menor de 14 anos, foi entregue à sua avó depois que foi encontrada vagando nas ruas. Posteriormente a garota cumpriu pena algum tempo em um Instituto correcional, de onde fugiu algumas vezes.

No final do julgamento o assassinato foi considerado um homicídio justificável, pois Stompanato era conhecido por ser um homem abusivo e bater constantemente em Lana. Os boatos dão conta que na verdade quem teria matado Stompanato não teria sido a filha, mas a mãe. Cheryl teria, como menor, e menos conhecida, assumido a culpa para o escândalo não ter sido menor. Mas isso é um fato que não teremos nunca como saber.

O que sabemos é que em sua autobiografia, “Detour: a Hollywood Tragedy – My Life With Lana Turner, My Mother (1988)”, Crane assumiu publicamente que realmente foi ela quem esfaqueou o padrasto. E também falou que foi vítima de vários estupros do quarto marido de sua mãe, o ator Lex Barker. Após ter tido câncer de mama em 1998, Cheryl, se recuperou e vive hoje em dia em Palm Springs, com sua parceira Jocelyn LeRoy.

Comente Aqui!