Frank Sinatra, um Homem Imprevisível…

1827

Frank Sinatra sempre foi um homem imprevisível… muitas vezes leal a amigos (uma vez assinou um cheque em branco para cobrir as despesas de George Ralf), em outras ignorando velhos companheiros como Sammy Davis Jr. (na ocasião em que esperava John Kennedy- e este lhe deu um bolo – e na festa estava proibida a presença de negros). Gostava de ser chamado de “o Líder”.

Sinatra e Sammy Davis Jr.

Muitas mulheres sofreram por causa dele, mas o cantor só sofreu por uma: Ava Gardner. O romance que iniciara durante o casamento dele com Nancy, era repleto de brigas que muitas vezes terminavam na delegacia. Os dois eram muito temperamentais, mas como se amavam. Ava costumava dizer que as brigas deles começavam quando terminavam de fazer amor. Ela o deixou por um toureiro, e ele sofreu e bebeu como jamais faria com mulher alguma.

Jamais se deixava fotografar nos bastidores, antes dos shows, antes de estar pronto, pois usava peruca e maquiagem, e tinha profundas marcas de acne. As marcas na orelha são um caso à parte: uns dizem que as tinha de nascença, pois nasceu à forceps, em um parto extremamente difícil, outros afirmam que provém de brigas que tivera durante a juventude no bairro pobre de Hoboken. Ele não se preocupava em explicar, apenas disfarçava com maquiagem.

Uma lenda que segue o velho Frank é a máfia. Ele sempre se cercou de gente como Mickey Cohen, Frank Costello, e outros responsáveis pelos cassinos de Las Vegas e outros negócios ilícitos. Seu papel em “A Um Passo da Eternidade”, que lhe rendeu um Oscar em 1953 teria sido inclusive conseguido por um de seus contatos. Isso tornou-se lenda, tanto que reza a lenda que o cantor que pede ajuda a Corleone em O Poderoso Chefão teria sido inspirado em Frank.

Frank e seus “amigos” da máfia

 

Comente Aqui!