Bastidores de O Pirata (1948), de Vincente Minnelli

621

O Pirata conta a história de Manuela, uma jovem sonhadora que sonha com o pirata Serafim. Um ator finge ser o pirata e ela logo se apaixona, mas seu noivo, o prefeito da cidade, fará de tudo para impedir o romance. Dirigido por Vincent Minnelli, trouxe Judy Garland, na época sua esposa, e Gene Kelly nos papéis principais.

A MGM pagou U$ 225.026,00 pelos direitos da peça, porém a adaptação do roteiro demorou tanto que Judy Garland quase desiste do projeto. Ela também estava preocupada com o fato de Gene Kelly ter um papel mais bem humorado que o seu e isso chamaria mais a atenção para o personagem dele. O ciúme de seu marido também chegou ao extremo, quando ela passou a achar que ele dava atenção demasiada ao seu par Gene Kelly.

O uso de remédios e barbitúricos fez com que Judy envelhecesse precocemente e aparentava ter mais do que os 24 anos. Ela voltou a fazer terapia, mas não resolvia muito diante de seu estado. Segundo Hedda Hopper, em determinado dia “Judy estava tremendo. De repente, explodiu num frenesi de histeria. Ela disse que todos que a amaram haviam se voltado contra ela. Não tinha amigos.”. Por causa do seu comportamento errático, as filmagens acabaram mais uma vez atrasando. Uma vez ela saiu correndo pelos estúdios, procurando quem tinha uma pílula de bezendrina, o que chocou sobretudo quem a conhecia desde menina. A atriz estava tão nervosa durante as filmagens que chegava a fumar quatro carteiras de cigarro por dia.

O filme foi rodado em 135 dias, dos quais Judy faltou 99. O estúdio verificou que provavelemente, por conta do estouro das contas, não teriam lucro, e, pela primeira vez, consideraram demitir a atriz.
O número músical “Be a Clown”” feito por Kelly e Garland fez tanto sucesso que eles iriam reproduzir algo parecido no próximo filme juntos, Easter Parade. Porém, com coreografias já prontas e ensaiadas, Gene Kelly teve o azar de quebrar a perna e teve que ser substituído por Fred Astaire, que à princípio negou-se, pois achava-se velho demais para trabalhar com Judy. Mas no final topou e fez a dança A Couple of Swells, totalmente diferente do seu estilo, em nome do profissionalismo.

Ainda sobre a sequência “Be a Clown”, esta chegou a ser cortada em algumas cidades dos Estados Unidos, devido ao preconceito com os irmãos Nicholas, que eram negros. Gene Kelly e Judy Garland lutaram para ter a participação dos irmãos Nicholas (Nicholas Fayard e Harold Nicholas) no filme.

Gene Kelly irritou-se com Harold Nicholas durante os ensaios, porque ele parecia não se importar em aprender as coreografias. Quando as filmagens da cena, porém, iniciaram, Harold dançou toda a coreografia, sem erros, deixando Gene de boca aberta e sem palavras. O ator também criou um dispositivo que permitia que as câmeras tecnicolor fotografassem de vários ângulos diferentes.

As cenas tórridas durante a sequência “Voodoo” foram tão calientes e realistas que deixou L.B.Mayer furioso a ponto de mandar tirar a sequência e mandar queimar. Ainda bem que não queimaram.
Este foi o segundo dos três filmes musicais em que Judy e Gene apareceram juntos. Os outros foram: For Me and My Gal e Summer Stock.

 

Comente Aqui!