10 Melhores Filmes de François Truffaut. Vote em seu preferido!

6183

Antes de votar em seu filme preferido do diretor François Truffaut, confira minha listinha pessoal. Você também pode saber mais sobre o diretor clicando nesta matéria que fala um pouco mais sobre sua vida.

A História de Adèle H. (1975): Isabelle Adjani brilha na biografia da filha de Victor Hugo, que entrou em colapso nervoso após ter sido rejeitada no amor.
A Noite Americana (1973): vencedor de melhor filme estrangeiro daquele ano, traz uma discussão sobre o processo de produção de um filme. A personagem feminina mais uma vez é parte crucial da narrativa.
A Sereia do Mississipi (1969): as desventuras do amor novamente voltam a permear os personagens dos filmes de Truffaut. Neste, Louis Mahé se vê arrebatado de amor por Julie Roussel, mas a co-existência do amor e da paz torna-se impossível.
As Duas Inglesas e o Amor (1971): um filme de transição na obra do mestre, onde ele recicla temas já tratados, como o triângulo amoroso e o amor não correspondido. As três paixões de Truffaut estão presentes nesse filme: as mulheres, a vida e arte.
Atire no Pianista (1960): segundo filme do cineasta, foi inspirado nos filmes B e tem uma narrativa não linear, com uma característica bastante marcante nos filmes do Truffaut: a junção de vários gêneros, diálogos versáteis e personagens incomuns.
Beijos Proibidos (1968): faz parte da série Antoine Doinel, alter-ego do próprio Truffaut. Aqui, Doinel é afastado do exército, procura empregos e sai de todos com a mesma velocidade, apaixona-se constantemente, enquanto tenta se ajustar à idade adulta. As confusões do jovem são tratas de forma leve e delicada, com passagens cheias de lirismo.
Fahrenheit 451 (1966): esse foi o único filme de Truffaut falado em inglês e mostra um mundo onde os livros são proibido, ideia que por si só já seria assustadora.
Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962): o triângulo amoroso imaginado por Truffaut traz Jeanne Moreau como a instável emocionalmente Catherine. Ela era a base da felicidade e da tristeza de Jules e Jim.
O Quarto Verde (1978): um homem obcecado por amigos que já morreram. A morte torna-se o principal tema deste que seria o último filme em que o diretor também atuaria.
O Homem que Amava as Mulheres (1977): as mulheres foram a grande paixão de Truffaut, que resolve homenageá-las com um homem que as amava tanto que elas se tornaram a razão da extinção de sua existência.
Os Incompreendidos (1959): o primeiro filme de Truffaut foi também o primeiro da série Antoine Doinel e um dos primeiros da nouvelle vague, seu personagem mais icônico vivido pelo ator Jean-Pierre Léaud, da infância até a idade adulta. É um filme triste e reflexivo.

Que tal agora você votar no seu filme favorito?

Comente Aqui!