Harold Lloyd, o Terceiro Grande Gênio

336

Aqui no site, dedicamos um bom espaço para os primórdios do cinema, relembrando aqueles que tanto se dedicaram à essa arte. Alguns dos melhores comediantes são desse período. Charles Chaplin e Buster Keaton são os mais lembrados, sem dúvidas. Mas havia um terceiro, que dividia as atenções do público: Harold Lloyd.

Os três talentosos (Imagem: Não conseguimos identificar o criador da imagem)

Harold Clayton Lloyd nasceu em  Burchard, Nebraska, Estados Unidos. Após o divórcio dos pais, ele se mudou com o pai para San Diego, onde começou a atuar em pequenos teatros locais. Em 1907 ele fazia sua primeira peça, “Tess of the D’Urbevilles”. Estudou arte dramática na Escola de arte dramática de San Diego. Depois de interpretar várias obras, chegou à conclusão que o que ele gostava de fazer mesmo era comédia. Por volta de 1912, entrou para o cinema. Seu primeiro papel foi como um índio em The Old Monk’s Tale, um filme feito pela companhia de cinema de Thomas Edison. Pouco tempo depois ele foi para a Califórnia, iniciando seus trabalhos na Pathe, companhia francesa. Foram dois anos de tentativas, período em que ele aparecia como os personagens  Willie Work e Lonesome Luke, pequenas variações do personagem famoso de Chaplin.

Harold Lloyd como Lonesome Luke

Ele chegou a ser contratado pela Keystone, famosa companhia de Mack Sennett que ficou conhecida como a primeira de Charles Chaplin. Porém, o resultado não foi satisfatório. O produtor Hal Roach seria a pessoa mais influente de sua vida profissional. Após receber uma pequena herança, ele chamou Lloyd para fazer uma série de filmes sob sua supervisão.

O sucesso começou a bater à sua porta quando por volta de 1917, resolveu investir em seu personagem próprio: um cidadão que usa óculos, um chapéu de palha e colete alinhado. Com um jeito americano de ser, conheceu uma grande popularidade que o tornava conhecido do grande público. Na década de 20 havia a conhecida tríade da comédia. Enquanto o vagabundo de Chaplin trazia um homem em luta contra as conveniências sociais, Buster Keaton investia numa comédia mais inteligente. Ao contrário do que possa parecer, o trio tinha seus próprios fãs e conviviam muito bem entre eles.

Lloyd complementou o trio, trazendo a representação de um almofadinha americano. Alguns o consideram o mais prático dos três, e seu personagem era um homem mais comum, bem vestido, nada patético. Lloyd trazia o americano esperto que conseguia vencer todas as dificuldades do dia a dia.  Nesta entrevista concebida em 1962, Lloyd explica um pouco como surgiu a ideia de seu personagem:

Assim como Chaplin, conseguia arrastar multidões para ver seus filmes, e chegou a fazer mais de um milhão de dólares por ano. Em suas cenas, ele dispensava dublês, e isso lhe trouxe alguns problemas. Em 1919 o ator se feriu gravemente quando uma bomba explodiu em suas mãos, fazendo-o perder o polegar e o indicador. Durante as filmagens de “Safety Last” (1923) é possível ver que ele usa uma espécie de luva durante a cena em que fica pendurado nos ponteiros do relógio de um alto prédio. Alguns de seus filmes de maior destaque foram:

Grandma’s Boy (1922)
Safety Last! (1923)
Girl Shy (1924)
The Freshman (1925)
The Kid Brother (1927)

Parcerias, manias e amores

Outra parceria constante em sua vida profissional foi com a atriz Bebe Daniels. Juntos estrelaram uma série de filmes, e o ator chegou a se apaixonar por ela. Porém, sua incapacidade de manter-se infiel afastou a atriz que permaneceria sendo sua amiga por toda a vida.

Com Bebe Daniels

Mas ele logo se envolveria com outra atriz com quem atuou: Mildred Davis. O casal se tornou um par constante em em 1923 se casaram. Pouco tempo depois ela abandonaria as telas, resolvendo se dedicar totalmente à família.

Harold, Mildred e a pequena Gloria

O casal teve três filhos. A primeira, Gloria Davis, nasceu em 1923. Muito bonita,  se tornaria modelo e tentaria carreira como atriz, porém sem sucesso. Chegou a aparecer no filme Temptation (1946), mas não conseguiu seguir carreira. Faleceu aos 87 anos em 2012, deixando uma filha.

Gloria Lloyd

Gloria Freeman, adotada aos cinco anos em 1924. Os pais a registrariam como Marjorie Elizabeth Lloyd. Conhecida como Peggy, chegou a trabalhar em alguns filmes (O mais famoso deles foi Cover Girl). Peggy se tornaria uma conhecida socialite. Faleceu em 1986, deixando um filho.

Peggy Lloyd

Harold Lloyd Jr. foi o terceiro filho de Harold Lloyd, nascido em 1931. Ele tentaria a carreira de ator e cantor, porém, não conseguiu se desvencilhar da sombra do famoso pai. Aos 20 anos se tornaria alcoólatra. O pai aceitava normalmente sua homossexualidade, mas não conseguia aceitar o fato de Jr. se envolver em relacionamentos abusivos e com homens violentos. Harold se culpava por isso: achava que de alguma forma o filho sofria problemas emocionais por ter recebido pouca atenção de sua parte durante a infância. Harold Lloyd Jr. morreu aos 40 anos em 1971, três meses após a morte do pai. Está enterrado junto aos pais.

Harold Lloyd Jr. com Ann Blyth

Lloyd era considerado um grande supersticioso, mas na verdade sofria de TOC. Ao vestir-se como seu personagem seguia todo um ritual, apenas saia pela mesma porta por onde entrou, e acreditava que determinados lugares deveriam ser evitados por trazerem mal sorte. Aposentado das telas em 1944, resolveu se dedicar a outras atividades. Dentre elas estava a fotografia. Ele tirou fotos de vários artistas e em 2004 sua neta Suzanne chegou a publicar um livro com fotografias de nudes em 3D (link para compra embaixo).

Foto de Marilyn tirada por Harold Lloyd
Bettie Page fotografada por Harold Lloyd

O ator também se tornou conhecido também por seus trabalhos dedicados à caridade, doando para vários hospitais e participando ativamente de campanhas. Também chegou a apresentar um programa de rádio onde recebia diversos convidados, o The Old Gold Comedy Theatre.

Nas horas vagas, Lloyd gostava de se dedicar à sua coleção de carros e às constantes reformas em sua casa. Cheguei a comentar um pouco sobre sua casa nesta matéria aqui:

Chatsworth, a Charmosa Mansão de Harold Lloyd

Seus últimos anos foram dedicados à criação de sua neta Suzanna.  Harold Lloyd faleceu em 8 de março de 1971 em sua casa. O ator sofria de câncer de próstata.

Fonte: Harold Lloyd His Life His Comedy, Findagrave, IMDB, Stars of Slapstick: Harold Lloyd, Peggy Lloyd, Livro: Harold Lloyd: The Man on the Clock, de Tom Dardis, Harold Lloyd’s Hollywood Nudes in 3D! 

Comente Aqui!