The Thin Man Série: Norma e Nick em Ação

227

Houve um tempo em que Nick e Nora eram o casal de detetives mais amado das telas. Mas embora os dois fossem muito amigos, seus únicos momentos românticos ocorriam mesmo somente dentro das telas. Mas o público parecia disposto a casa-los também na vida privada. Um exemplo disso foi quando eles se hospedaram em um hotel em San Francisco, na ocasião de uma das estréia. O gerente do hotel abriu as portas da suíte que hospedaria o Sr. e Sra. Powell. O momento foi particularmente desconfortável, já que a “Sra. Powell” era a atriz Jean Harlow. Os dois iniciavam um romance que até aquele momento ninguém mais sabia. No final das contas, para evitar maiores falatórios, Harlow acabou por se hospedar em uma suíte paralela com Myrna Loy.

O fato é que, apesar de nunca ter ocorrido um envolvimento romântico, eles se tornaram imbatíveis por mais de uma década. A dupla esteve junta em mais de 14 filmes, e entre 1934 e 1947 viveram aventuras como Nick e Norma. Powell adorava trabalhar ao lado de Loy, e a considerava uma grande profissional, lembrando que ela não tinha ímpetos de diva, como tantas tinham naquela época. Em certa ocasião ele chegou a comentar: “Quando trabalhamos, esquecemos a técnica, ângulos e microfones, e acabamos por não interpretar nossos papéis. Somos apenas duas pessoas em perfeita harmonia. Myrna, ao contrário de muitas atrizes que só pensam em si mesmas, tem a capacidade de ouvir enquanto o outro reproduz suas falas”.

A dupla nos bastidores do primeiro filme, comemorando o aniversário de Poweel com L. B. Mayer e W.S. Van Dyke

Os personagens Nick e Nora Charles surgiram pela primeira vez no romance The Tin Man, escrito por Dashiell Hammett. Suicídios, assassinatos e chantagens faziam parte dos episódios. E quando as coisas ameaçavam ficar muito sérias, surgia o terrier Asta demonstrando porque tinha sido selecionado como um membro fixo do elenco. Mas nem sempre houve paz no ambiente, já que no primeiro filme Myrna Loy foi mordida por ele. A partir daí os treinadores passaram a acompanhar as filmagens. Bem, Skippy já conhecia William Powell, já que o primeiro filme dele tinha sido ao lado do astro em O Caso de Hilda Lake (1933). Skippy já era um “astro” famoso, tendo participado de outros filmes. Lembro-me dele ao lado de Cary Grant e Irene Dunne em The Awful Truth (1937).

O bom humor era peça fundamental das tramas que sempre começavam com o casal chegando na cidade. Após casar-se com Nora, uma rica herdeira com uma paz imperturbável, Nick aposentou-se de sua função de detetive. Mas o popular detetive parece não ser deixado em paz, e sempre é confrontado com algum mistério para resolver. Claro que ele prefere dormir tranquilamente ao lado de sua amada e acordar com seus drinks infinitos. Mas aparentemente não consegue…

A junção de comédia de costumes e mistério favoreceu a crescente popularidade da série, e mesmo que Hammett não tenha escrito outras histórias, os roteiristas da MGM estavam sempre a postos para escrever uma nova sequência. Tendo em vista uma maior identificação do público, o personagem Nick, que no livro era gordinho, foi interpretado pelo esbelto William Powell. A dupla improvisava constantemente as cenas, utilizando falas rápidas (que por algum motivo estava em moda naquela época), irreverência e apelo sexual. Conforme os episódios seguiam, a família também foi crescendo com a chegada de um filho, Nick Jr.

A dupla com Asta (Skippy)

Cada um dos filmes termina de maneira parecida, com Nick reunindo todos os suspeitos e tentando fazer com que o assassino se entregue. Em seguida, a tradicional partida de trem. Vamos aos episódios:

A Ceia dos Acusados / The Thin Man (1934)
Nick e Nora decidem passar as férias de natal em Nova York. Nada de descanso. Chegando lá eles terão que lidar com o desaparecimento de Clyde Wynant.
O primeiro episódio foi filmado em apenas duas semanas e teve um orçamento bem apertado de US $ 226.408. O diretor WS Van Dyke assumiria as três sequências seguintes e lutou muito para que os personagens principais fossem interpretados por Powell e Loy. Maureen O’Sullivan não gostou de participar do filme, e falou mais tarde que teria detestado ter uma participação tão pequena. O filme teve enorme repercussão naquele ano.

A Comédia dos Acusados / After the Thin Man (1936)De volta a San Francisco após suas férias, o casal decide ajudar Selma a encontrar seu marido desaparecido. Ela tem um grande amigo, interpretado por James Stewart. O rapaz é muito apaixonado por ela e a perdeu quando a moça resolveu se casar com outro. Após seu marido ser morto, Selma é acusada de assassinato. E agora, gente?
Este filme foi indicado ao Oscar de Melhor roteiro em 1937. A reação do público no filme anterior fez com que houvesse um maior investimento neste. Alguns também o consideram a melhor sequência.

O Hotel dos Acusados / Another Thin Man (1939)
Além de Asta, a dupla traz agora o pequeno Nicky Jr. A família é convidada pelo Coronel Burr MacFay (C. Aubrey Smith) a passar um final de semana em sua casa, mas acaba sendo morto em circunstâncias misteriosas. Mais um caso a se resolver.
William Powell passava por um período extremamente delicado de sua vida, com duas tragédias o abatendo. A primeira foi a morte de sua namorada Jean Harlow. Ele também estava se recuperando de um câncer. E após várias sessões de tratamentos e cirurgias, retornou às filmagens. Foi recebido com palmas pelos colegas da equipe.

A Sombra dos Acusados / Shadow of the Thin Man (1941)
Este é considerado o pior filme da série. Aqui, Nick e Nora querem apenas relaxar. Mas não deixam, é claro. É interessante perceber a fomra como Nick reage a essa nova vida de responsabilidades. Ao invés de whisky, o pequeno “vilãozinho” incentiva o pai a beber leite. Coisas da paternidade, não é? Quando chegam à cidade, são levados quase imediatamente para uma pista de corridas. Lá descobrem que ocorreu o assassinato de um jóquei. Logo mais outro assassinato irá levantar suspeitas. E lá vão nossos heróis favoritos tentar resolver mais essa questão.
Este filme contou com a participação de Stella Adler, que se tornaria uma famosa professora de teatro. Dentre seus alunos estava Marlon Brando. Outra participação é de Ava Gardner, que estreava nas telas. Mas não se espante se não a encontrar no filme, ela faz uma pequeníssima participação. Você poderá vê-la em pé ao lado do carro de Nick. Este foi o último filme da série dirigido por W.S. Van Dyke. O diretor cometeria suicídio quatro anos mais tarde.

O Regresso Daquele Homem / The Thin Man Goes Home (1945)
O casal decide visitar os pais de Nick. O pai dele é um médico famoso do local, e nunca se conformou com as escolhas profissionais do filho e seu estilo de vida. Ao chegar na cidade eles irão lidar com a desconfiança do povo que acha que eles estão para investigar algo. E claro que eles vão solucionar um assassinato que acontece na porta da casa deles.
Richard Thorpe assumiu a direção, mas foi substituído em algumas cenas por Norman Taurog. Acontece que ele se dividia entre as filmagens deste e do filme Paixão em Jogo (1945). Mas não foi só W.S. Van Dyke que foi substituído. Skippy também se aposentou e foi substituído por seu filhote.
Nick bebeu bem menos neste filme, pois havia rigores quanto ao racionamento de bebidas durante a guerra. Myrna Loy por pouco não foi substituída por Irene Dunne. Loy não aceitara fazer a sequência em 1942 pois desejava curtir um pouco seu casamento com o herdeiro John Hertz Jr. Também trabalhou na Cruz Vermelha. Após muitos apelos ela finalmente aceitou o convite e todos ficaram em paz.

A Canção dos Acusados / Song of the Thin Man (1947)
Esse aqui tem o cheirinho da despedida. Nick, Nora e Nick Jr. investigam o assassinato de um líder de banda em Nova York. O sexto e último filme da série foi dirigido desta vez por Edward Buzzell. Gloria Grahame não sabia cantar, e foi dublada por Carol Arden.

Estou torcendo fervorosamente para que alguma distribuidora lance esses filmes. Com certeza seria uma grande alegria para os fãs da série. Fica a dica.

Comente Aqui!