Melhores Filmes de Kirk Douglas

7675

Kirk Douglas teve uma das carreiras mais vitoriosas no cinema. Falamos mais sobre ela em nossa matéria em comemoração aos seus 100 anos de vida. E por conta disto, é sempre difícil fazer uma seleção de seus melhores filmes. São tantos… Mesmo assim aceitamos o desafio e selecionamos apenas alguns de seus melhores.

Confira uma relação de alguns de seus melhores filmes:

O Invencível (Champion, 1949): de Mark Robson: Kirk é Midge Kelly, um boxeador que consegue chegar ao topo passando por cima de tudo e de todos. O tempo chega, e ele precisa provar que ainda é o melhor.
Assim Estava Escrito (The Bad and the Beautiful, 1952), de Vincente Minnelli: Jonathan (Douglas) é um produtor de Hollywood que consegue subir na vida passando por cima de todos. Porém, seu egocentrismo fará com que colecione inimigos. Uma crítica ácida sobre os bastidores de Hollywood. Com Lana Turner, Gloria Grahame e Dick Powell.
Ulysses (1954), de Mario Bava e Mario Camerini: O filme é baseado na Odisséia de Homero. Kirk é Ulysses, um homem que após a batalha de Tróia, tenta voltar para sua casa e para sua esposa Penélope (Silvana Mangano).
Sede de Viver (Lust for Life, 1956), de Vincente Minnelli, George Cukor: Douglas em uma de suas melhores performances. Aqui ele é Van Gogh, o gênio da pintura que vive entre a genialidade e a mente atormentada. Com Anthony Quinn, James Donald e Pamela Brown.
20.000 Léguas Submarinas (20000 Leagues Under the Sea, 1954), de Richard Fleischer: o professor Aronnax é chamado para investigar um grande monstro marinho que está afundando navios. As pessoas estão assustadas e poucos se arriscam a investigar o fato. Acompanhado de seu auxiliar Conseil e o pescador Ned Land (Douglas), ele parte para uma expedição. Dias se passam antes que eles obtenham alguma pista sobre o tal monstro. Já pensando em retornar, eles são atacados e ficam à deriva. Leia mais em nossa matéria.
A Montanha dos Sete Abutres (Ace in the Hole, 1951), de Billy Wilder: Charles Tatum (Douglas) é um jornalista que usa de meios ilícitos para fazer notícia. Leia mais em nossa matéria. Com Jan Sterling, Porter Hall, Frank Cady.
Sem lei e sem alma (Gunfight at the OK Corral, 1957), de John Sturges. Earp, um homem da lei, chega a Tombstone para livrar o lugar de bandidos. Lá, se unirá com Holliday (Douglas), um dentista que ama jogos e é famoso por ser ligeiro no gatilho. Com Burt Lancaster e Rhonda Fleming.
Glória Feita de Sangue (Paths of Glory, 1957), de Stanley Kubrick: Primeira Guerra Mundial. O general Mireau ordena que os soldados franceses façam um ataque suicida contra os alemães. Eles se recusam a obedecer às ordens. Com Ralph Meeker, Adolphe Menjou e George Macready.
Vikings, os Conquistadores (1958), de Richard Fleischer: O prólogo anuncia a história de um povo bárbaro, pagão e que vive seus dias a invadir, estuprar e saquear seus inimigos. O rei de Northumbria é morto durante um ataque viking liderado pelo temível Ragnar. Estuprada por Ragnar, a rainha oculta sua gravidez e entrega seu filho para ser criado junto aos padres. Passam-se 20 anos e Eric (Tony Curtis) é um jovem de calções que se tornou escravo após ser roubado do monastério. Ele desenvolve uma rixa com seu meio irmão Einar (Douglas), e o ódio entre os irmãos aumenta com a chegada da bela Morgana (Janet Leigh). Leia mais em nossa matéria.

Duelo de Titãs (The Last Train From Gun Hill, 1959), de John Sturges: Após sua esposa ter sido morta por vaqueiros, o xerife Matt Morgan (Douglas) segue as investigações que o levarão à Gun Hill, uma cidade dominada por um velho conhecido seu, Craig Belden (Anthony Quinn).

Spartacus (1960), de Stanley Kubrick. Spartacus (Douglas) nasceu escravo mas sonha com a liberdade. Enquanto isso trabalha para o Império Romado. Seu destino é mudado quando passa a ser treinado para se tornar um campeão. Com Laurence Olivier, Peter Ustinov, John Gavin e Jean Simmons.

Desbravando o Oeste (The way West, 1967): O senador William Tudlock (Kirk Douglas) precisa levar um grupo de colonos para o Oregon através de um longo percurso. Para que isso seja possível, pede a ajuda de Dick Summers (Robert Mitchum), um guia experiente, porém doente e deprimido após a morte da esposa. William consegue convencê-lo e inicia-se uma longa caminhada, com vários desafios, romances, desilusões e perdas. Leia nossa resenha completa.

Sua Última Façanha (Lonely Are the Brave, 1962), de David Miller: Jack Burns (Douglas) é um vaqueiro que tem dificuldades para se adaptar aos novos tempos. Com isso, se rebela contra tudo e todos. O western escrito por Dalton Trumbo foca no lado dramático e desconstrói o gênero.

Confira também:

Melhores Filmes de Joseph Cotten

 

Comente Aqui!