Agora Seremos Felizes (1944)

1475

Meet Me in St. Louis é um dos mais elegantes musicais lançados na época de ouro da MGM. Produzido por Arthur Freed e dirigido por Vincent Minnelli, apresentava a atriz Judy Garland, já uma querida do público desde O Mágico de Oz como a estrela principal. O resultado foi um sucesso instantâneo de bilheteria no inverno de 1944 e músicas que se tornaram clássicas.

Situado no Missouri, traz a história da simpática família Smith, de classe média e nos preparativos para celebrar a tradicional Exposição de Louisiana no ano de 1904. Judy está encantadora como Esther Smith. No livro original, a história é contada do ponto de vista da menina, porém neste brilha a estrela de Garland. A vida da família segue tranquila, porém tudo começa a mudar quando se veem obrigados a se mudar para Nova York. As crianças sentem muito, pois irão perder amigos e o conforto que só uma cidade pequena traz para todos. A família decide então se mobilizar para que isso não aconteça.

Embora tenha sido um veículo para Garland, Meet me in St Louis traz a encantadora Margaret O’Brian, que embora tivesse apenas 7 anos foi brilhante como a filha mais nova. Em depoimentos recentes a atriz chegou a comentar o relacionamento com a atriz principal e como Judy se preocupava que a pequena fosse bem tratada. A preocupação da atriz não era a toa, já que ela passara por maus momentos em sua chegada à MGM. “Under the Bamboo Tree” é um dos momentos mais fofos de toda a película.

O filme realmente é um conjunto de belos musicais, com Judy assumindo a maior parte dos cantos. Dentre os destaques está o já icônico número “The Trolley Song “, onde Judy sobe no trem à espera de seu namorado. Escrita por Hugh Martin e Ralph Blan, acabou sendo nomeado para um Oscar naquele ano. A música acabou agradando as plateias e alcançou o grande público através das rádios.

Judy Garland por esse período desejava se livrar da imagem de garotinha, assumida em filmes anteriores. Desejava uma imagem mais adulta e graças às dicas dadas por Minnelli, ela finalmente conseguiu uma imagem satisfatória. Segundo a atris, finalmente alguém a via como uma adulta. Durante as filmagens os dois se envolveram e apesar da relação confusa, chegaram a se casar e tiveram uma filha, Liza Minnelli. Não seria exagero que o casal produziu bons frutos.

Além de Judy, o elenco de apoio conta com as boas participações de Lucille Bremer, Mary Astor, Leon Ames, Marjorie Main, Harry Davenport e Tom Drake (o garoto da porta ao lado). Vincente Minnelli acabou se especializando em grandes musicais como os ganhadores do Oscar Gigi (1958) e “Sinfonia em Paris”.

Confira algumas curiosidades:

* Meet Me in St. Louis foi inspirado nas histórias da infância de Sally Benson, publicadas através da série “5135 Kensington Avenue”. Benson narrava fatos de sua infância, no período de 1904 a 10. O produtor Arthur Freed conheceu as histórias e interessou-se em compra-las.

* O papel de Esther Smith foi criado especialmente para Garland. Ela voltaria a fazer o papel de uma adolescente apaixonada pelo vizinho.

* Um novo cenário foi criado nos estúdios MGM, a um custo total de U$ 208.275,00. As músicas também acabaram saindo caro, custando algo em torno de 235 mil dólares.

* Nesse filme, Judy conheceu a maquiadora Dottie Ponedel, que continou sendo sua maquiadora pessoal. Ela “redescobriu” a Judy e refez a linha dos seus cabelos, preencheu seus lábios, tornando-os mais carnudos e levantou as sobrancelhas.

* Ao receber a letra de “Have Yoursekf a Merry Little christmas”, Judy achou os versos “Pode ser o seu último natal/ano que vem todos estaremos vivendo no passado” e insistiu para mudar, já que soava muito melancólico. A letra acabou sendo alterada para “Fique com o coração leve/ Ano que vem todos nossos problemas terão sumido.”

* Sobre a Judy desse período Mary Astor disse: “Judy ainda se divertia com seu trabalho e aparentava uma grande energia. Mas estava tensa, trêmula, ansiosa. Estava trabalhando muito acima da capacidade de qualquer ser humano. Gravava à noite e atuava no filme durante o dia. As pessoas ficavam irritadas quando ela chegava atrasada ao set, e quando ficava inquieta e lamurienta devido à fadiga… Judy era uma pequena chama, e estou surpresa por ela não ter se apagado mais cedo”.

* Na exibição teste, constatou-se que o filme estava longo demais, e tiraram “The boy next door”, um musical.

Comente Aqui!