Drama Real inspirou filme com Bette Davis e Charles Boyer

1039

O duque de Choiseul-Praslin foi um nobre que cometeu suicídio após ser acusado de assassinar sua esposa, a duquesa de Choiseul-Praslin. Charles Boyer reviveu esse personagem nas telas em Tudo Isto e o Céu Também (1940).

****** ATENÇÃO: Contém vários spoilers

Nascido em 28 de junho de 1805, Charles Laure Hugues Théobald era um nobre e líder da Guarda Nacional da França. Com 19 anos, casou-se com Fanny Altarice Rosalba e os dois tiveram 10 filhos. Segundo sua biografia, o casal viveu em harmonia até por volta de 1840, quando ele passou a ter romances com outras mulheres. Era de conhecimento público que o casal vivia em meio a brigas e discussões devido às traições. Fanny sentia-se deixada de lado e reclamava que era uma estranha dentro de seu próprio lar.

Até que na noite de 17 de agosto de 1847, Fanny foi brutalmente assassinada a facadas após uma luta corporal com seu algoz. Seu corpo também tinha marcas de mordidas e arranhões em toda sua extensão.

Duque de Choiseul-Praslin

Seu marido logo se tornou o principal suspeito por permanecer tranquilo durante o tumulto. A polícia encontrou em seus domínios uma adaga manchada de sangue em seu quarto e itens de vestuário que haviam sido jogados em uma chaminé. Além disso, uma pistola carregada foi encontrada, o que sugeria que ele tinha planos de matar a esposa a tiros.

Um dos motivos para as brigas constantes foi a contratação de Henriette Deluzy-Desportes como governanta das crianças. Fanny não se conformava com sua presença e passou a acusar o marido de traição. Também acusava Henriette de separá-la dos filhos, e a demitiu algumas semanas antes do assassinato.

A duquesa Fanny Altarice Rosalba

O duque inicialmente foi deixado em prisão domiciliar. Sete dias depois de entrar na prisão de Luxemburgo, ele estava morto. Enquanto estava sob custódia, cometeu suicídio ingerindo veneno. Ele continuou negando o assassinato até o último momento. Com sua morte, seu processo foi anulado, e Henriette liberta. Esta partiu para os Estados Unidos, onde casou-se com Henry M. Field.

 

Tudo Isto e o Céu Também chega às telas

Charles Boyer e Bette Davis

Em 1938 foi publicado o livro All This and Heaven Too, escrito pela romancistas Rachel Field, sobrinha neta de Henriette Deluzy-Deportes. Dois anos depois, o best seller foi adaptado para as telas trazendo como protagonistas Charles Boyer (como o duque), Bette Davis (como Madame Deluzy) e Barbara O’Neil (como a duquesa).

Dirigido por Anatole Litvak, Tudo Isto e o Céu Também traz grandes atuações. Charles Boyer entrega grande dignidade a um personagem que sofre sem poder escapar de um casamento e ocultar o amor que sente por outra mulher. Sempre perfeccionista, Bette Davis julgou que sua própria atuação, no entanto, não foi tão boa quanto merecia. A atriz comentou posteriormente que o estilo de direção de Litvak a tinha engessado no papel, não permitindo a ela liberdade de atuação. No entanto, olhando tanto tempo depois, percebemos que o estilo contido contribui para o caráter firme de sua personagem.

Barbara O’Neil

 

Barbara O’Neil foi uma indicação de Charles Boyer. Ela seria nomeada ao Oscar por sua atuação magnífica de uma esposa que se sente colocada de lado e passa a atormentar a vida de todos.

O filme foi uma grande produção da Warner. Os figurinos criados por Orry-Kelly recriavam uma época. Foram utilizados até mesmo roupas íntimas e espartilhos que levavam quase meia hora para serem vestidos pelas atrizes. Somente para Bette Davis foram feitos 37 vestidos que chegavam a custar 1000 dólares cada. Também Charles Boyer usava um espartilho que visava diminuir sua barriga e fazer com que sua postura ficasse reta.

Além disso, a Warner criou 67 cenários diferentes, algo que foi um recorde na época. Tais gastos foram justificados pelo fato de Jack L. Warner querer uma produção que se tornasse uma espécie de E o Vento Levou da Warner. Mas havia mais em comum com a grande produção: a cama da duquesa foi a mesma utilizada pela personagem Scarlet O’Hara no filme da MGM. No final, o drama teve um orçamento de US $ 1.370.000 e mais de quatro horas de duração. Teve que ser cortado praticamente pela metade para exibição nos cinemas.

Um caso sem solução

Até hoje, o assassinato da duquesa continua sendo um dos mais famosos assassinatos não resolvidos da França.

Posteriormente surgiram boatos de que ele na verdade não tinha se suicidado, mas apenas forjado sua morte e escapado para a Nicarágua. Lá teria se casado mais uma vez, se tornado médico e tido outros filhos, apenas falecendo em 1882.

O caso do duque também serviu como estopim para a revolução de 1848. O povo não se conformava mais com os privilégios dos nobres que nunca eram condenados.

Um fato triste a ser citado é que Charles Boyer, que interpreta o duque faleceu de maneira semelhante à seu personagem. Entristecido pela perda da esposa, o ator ingeriu uma alta dose de veneno, dando fim à sua própria vida em 26 de agosto de 1978.

Confira também:

A Tragédia que deu fim à vida de Charles Boyer

Comente Aqui!