O Homem com a Morte nos Olhos (1967)

1582

O cinema é referência, imitação e reprodução desde que surgiu. O faroeste foi um dos primeiros gêneros a encantarem os espectadores, conhecendo seu auge nas décadas de 30 e 40 nos Estados Unidos. É curioso que quando foi lançado em 1967, Welcome to Hard Times (O Homem com a Morte nos Olhos), embora traga todos os elementos tradicionais do gênero, tenha uma influência direta do que estava sendo produzido na Europa e conhecido como o western spaghetti.

E aqui temos um de meus atores preferidos: Henry Fonda surge como Will Blue,  o prefeito de um vilarejo invadido por um homem estranho (Aldo Ray) que mata aleatoriamente. Não é preciso base para um psicopata, mas ficamos meio sem entender de onde surge um homem que começa a matar, estuprar, tocar fogo em tudo e sair como um louco. Talvez seja essa a surpresa do filme, não ter muita explicação no roteiro que teve como base o romance de E. L. Doctorow.

Will Blue é um homem de meia idade que quer evitar problemas e isolar-se em uma pequena vila que ajuda a fundar. Bem, ninguém pode condená-lo diante de um homem louco assombrando a todos. Estão com ele o pequeno Fee Jimmy (Michael Shea), um órfão que deseja vingar a morte de seu pai e é incentivado pela bela Molly (Janice Rule). Molly fica grata por Will Blue ter dito a todos que ela, uma prostituta, era sua esposa. Mas só consegue enxergar nele o fracasso, já que para ela um homem de verdade é aquele que livra-se dos problemas com uma arma. Will, por seu lado, só deseja construir uma cidade boa e digna para que todos morem. Obcecada por vingança, Molly ensinará Jimmy a manusear armas. E é aí que reside o problema.

Como todo bom western, já previa o desenrolar da trama e do relacionamento entre a bela prostituta Molly e Will pelos padrões hollywoodianos: o amor pode se desenvolver, porém o que era aceitável naqueles tempos era um final moral. A personagem de Janice Rule fica realmente feliz por finalmente um homem a reconhecer, mas, como sempre acontece, não se acha digna. Bem, Hollywood dará um jeito em resolver essa questão da única maneira que conhece.


Filmado em Thousand Oaks, os críticos elogiaram bastante o desempenho do Aldo Ray, além da fotografia de Harry Stradling Jr. Enquanto assistia observava como o Henry Fonda imprimia em seus personagens o padrão moral através do seu olhar. Foi assim quando encarnava cada um de seus personagens e com esse não foi diferente.

* O filme foi lançado em dvd (dublado e legendado) pela Classicline e pode ser encontrado em todas as lojas do ramo ou na Folha Online.

 

Comente Aqui!