Assassinato Sob Custódia (1989)

689

Ben du Toit (Sutherland) é um professor sul-africano que vive com sua família. Ele parece distante das lutas ocorridas em seu país de origem, mesmo estando cercado por homens e mulheres negras que o servem como empregados. Ao saber dos confrontos, usa sempre as mesmas desculpas que seus conterrâneos brancos utilizam: se um negro foi preso, ele mereceu.

Ben começa a despertar sobre essa questão quando um de seus empregados, o pacato jardineiro Gordon (Winston Ntshona), tem seu filho preso e humilhado. Ainda desconfiado, Ben só irá se convencer que algo de muito ruim acontece em Soweto quando uma grande guerra inicia-se e diversas crianças e adolescentes são presas e mortas. Quando sua família começa a se afastar dele, Ben percebe que o racismo é algo que afeta a vida de todos, inclusive à sua.

Zakes Mokae e Donald Sutherland em Assassinato Sob Custódia

Mesmo sabendo dessas dificuldades, ele irá, com a ajuda de Gordon (Zakes Mokae) ir em busca de alguma solução. Resolve procurar o renomado advogado McKenzie (Marlon Brando). Este, avisa que tentará lhe ajudar, mas que esta é uma luta já perdida.

O apartheid foi e é uma das coisas mais injustas que o mundo já presenciou. Há séculos, milhares de pessoas foram segregadas por causa de sua cor. Na África do Sul, pessoas negras eram renegadas aos guetos desde o período colonial.

Muitos destes não tinham direito à educação de qualidade e consequentemente a empregos que lhe beneficiariam com melhores condições de vida. Estes, eram exclusivamente dedicados à pequeníssima parcela de pessoas brancas, que detinham o poder, melhores escolas e cargos que garantiam melhores padrões de vida. Adoraria estar falando sobre algo ficcional, mas se Assassinato Sob Custódia é um filme difícil de ser visto e escrito, é porque dói saber que a realidade é muito pior.

A luta contra o apartheid só teria fim em 1994. Hoje sabemos que a luta ainda permanece e os laços fortes da discriminação ainda demorarão muito tempo para serem sanados. Mas na época em que foi dirigido por Euzhan Palcy em 1989, o sistema ainda estava em voga. Euzhan Palcy foi a primeira diretora negra que foi contratada por um estúdio grande como a MGM, isso é bem significativo.

Trazendo um tema forte como a luta contra a segregação racial, o filme contou com atores de primeira linha como Marlon Brando e Donald Sutherland, Zakes Mokae e Susan Sarandon. Brando, conhecido tanto por sua vida extremamente problemática quanto por suas ajudas humanitárias, doou seu cachê em prol da luta contra o apartheid, sendo seguido pelos colegas de elenco, segundo o IMDB.

** O filme está sendo lançado em dvd pela Classicline e já encontra-se à venda nas principais lojas do ramo ou online clicando na imagem abaixo:

Comente Aqui!