Melhores Filmes de Charles Boyer

754

Infelizmente os melhores filmes de Charles Boyer não são encontrados tão facilmente. A grande parte não chegou a ser lançada em dvd no Brasil. Mas quem consegue pode conferir o quão apaixonante era ele em cena. Fizemos uma matéria falando um pouco mais sobre sua vida e que você pode acessara aqui:

A Tragédia que deu fim à vida de Charles Boyer

 

Agora vamos aos filmes. Selecionamos só alguns para quem queira começar a assistir sua filmografia:

 

Argélia (Algiers, 1938), de John Cromwell: Pepe Le Moko é um perigoso bandido que ao descobrir que a polícia está em seu encalço, resolve se esconder, mas comete um grande erro ao deixar seu esconderijo pelo amor de uma bela mulher. O filme conta com a presença marcante da Hedy Lamarr.
O Jardim de Alá (The Garden of Allah, 1936), de Richard Boleslawski e Otto Brower: O filme foi feito como um veículo em cores para mostrar Marlene Dietrich. O personagem de Boyer é um padre que foge do Seminário e se casa com uma mulher. Cyndi Lauper usou uma cena do filme em seu clipe Time After time. Uma ótima oportunidade de vê-lo em cores, já que esse é um dos únicos que ele fez em cores na juventude.
Mayerling (1936), de Anatole Litvak: um drama baseado na história da paixão entre o príncipe Rodolfo da Áustria e a jovem baronesa Maria Vetsera. Um dos filmes mais românticos dele. A História Começou à Noite (History Is Made at Night, 1937), de Frank Borzage: Boyer é um francês que se apaixona por uma mulher casada quando a ajuda a escapar de um falso flagrante de adultério, armado por seu marido ciumento. Seu par no filme é a atriz Jean Arthur.
A História Começou à Noite (History Is Made At Night, 1937), de Frank Borzage: Jean Arthur é Irene, uma americana de passagem por Paris. Ela se apaixonará por Paul, um francês que a ajudou a escapar de falso flagrante de adultério armado por seu marido ciumento. Mas o romance dos dois é dificultado pelas artimanhas do maníaco.
Duas Vidas (Love Affair, 1939), de Leo McCarey: Boyer atua ao lado daquela que considero sua melhor parceira, Irene Dunne. Os dois interpretam um casal que se conhece a bordo de um transatlântico e marcam de se encontrar dali há alguns meses. Porém ela sofre um acidente e ele pensa ter sido abandonado. Cary Grant fez um remake do filme, que embora seja competente, não traz o charme deste, interpretado por Boyer.
Noite de Pecado (When Tomorrow Comes, 1939), de John M. Stahl: Helen se apaixonará por Philip, um músico casado. Poderá o amor sobreviver a isso? Confira nossa resenha completa
Tudo isto e o céu Também (All This, and Heaven Too, 1940), de Anatole Litvak: aqui ele atua ao lado de Bette Davis, que em sua biografia disse ter se surpreendido ao notar que o ator era calvo e tinha uma barriguinha. Porém foi mais uma que caiu de encantos pela gentileza que sempre a tratou. 
A porta de ouro (Hold Back the Dawn, 1941), de Mitchell Leisen: O filme conta sobre o casamento de Georges Iscovescu, um gigolô romeno em busca de uma maneira de entrar legalmente nos Estados Unidos da América, com a Srta. Emmy Brown, uma professora americana que conhece Georges em uma cidade próxima à fronteira mexicana. Leia a resenha completa aqui.
De Amor também se Morre (The Constant Nymph, 1943), de Edmund Goulding: Tessa (Joan Fontaine) é uma jovem ingênua que se apaixona pelo compositor Lewis Dodd. Ele a ama como uma amiga, e não tem outro tipo de interesse. Porém, após a morte do pai de Tessa, ele passa a cuidar da garota e nasce outro sentimento.
À Meia Luz (Gaslight , 1944), de George Cukor: Boyer é o marido manipulador que tenta convencer sua esposa (Ingrid Bergman) de que ela está ficando louca. O ator provando que além de interpretar homens românticos também podia fazer vilões manipuladores
…E o amor voltou (Together Again , 1944), de Charles Vidor: Anne Crandall é a viúva de um prefeito de uma pequena cidade em Vermont. Ela vive com sua filha, que cresceu, e o pai de seu falecido marido. Para encomendar uma nova estátua de seu falecido marido, e que tinha sido danificado por um raio, se muda para Nova York para se encontrar com um escultor, George Corday, por quem se apaixona.
Desejos Proibidos (Madame de…, 1953), de Max Ophüls: o início do século 20, em Paris, Louise, mulher de general vende os brincos que ele lhe dera para pagar uma dívida de jogo. Quando o marido descobre, ele compra as jóias de volta e as dá para sua amante, Lola. Depois disso, Louise acaba descobrindo o amor e torna-se menos frívola.Direção de arte incrível, figurinos, um roteiro girando em torno de um par de brincos (a odisséia de um par de brincos) e interpretações soberbas do trio principal: Danelle Darrieux, Charles Boyer e Vittorio de Sica.

Comente Aqui!