Melhores Filmes de James Stewart: Uma lista Pessoal

56

O primeiro filme que vi do James Stewart, e acho que de muitos que estão me lendo, foi Vertigo. Impressionou-me a seriedade daquele um ator que deu vida a um personagem tão marcante como o John Ferguson, e seu belo par de olhos azuis, ampliados pela fotografia da produção em cores de Hitchcock. Curiosa que sou, fui em busca de outras produções que venho conferindo sempre que tenho tempo ou consigo encontrar ~ muitos dos seus primeiros filmes são de fato difíceis de serem encontrados, alguns nem chegaram a ser lançados em dvd ou sequer possuem legendas.Então, é luta, viu?

Se você deseja conhecer um pouco mais sobre sua carreira, vale a pena conferir a matéria que o Guilherme Cunha escreveu pra gente. O ator, cuja carreira durou 49 anos, ganhou de fato meu coração, e se tornou uma referência de competência e público cativos. Resolvi fazer uma lista para quem deseja conhecer um pouco mais sua arte. Informo desde já que é uma lista inteiramente pessoal e colocada em ordem crescente de data. Vem conferir aqui:

Nasci para Dançar / Born to Dance (1936)

Jimmy tinha 28 anos quando protagonizou esse filme, e ainda engatinhava na sétima arte. Tinha começado a carreira dois anos antes e não era o astro principal, e sim a Eleanor Powell. A atriz gozava de grande sucesso na época e era uma das rainhas da dança. Jimmy é um marinheiro que se interessa por uma aspirante a estrela (Powell) e tenta conquista-la. Mas sabe porque gosto desse filme? Ele aparece cantando Easy to Love, e sua voz surpreendeu até Cole Porter, que chegou a comentar que o ator não deixava nada a desejar aos grandes cantores da época. Tem dúvidas? Confere ele soltando a voz:

 

Do Mundo Nada Se Leva / You Can’t Take It With You (1938)

Quem me acompanha sabe o quanto sou fã do Frank Capra. Jimmy é o moço casamenteiro que chega em uma família de loucos. O ator começou a conquistar seu lugar ao sol, e não raro iria assumir personagens que eram desajeitados, de boa índole e honestos. Essa também marca sua primeira parceria com o Capra, que gostou dele assim que o viu em Juventude Valente (1937).

O Último Beijo / The Shopworn Angel (1939)

O meu garoto quase quebra meu coração em mil pedaços ao interpretar um soldado tímido que sonha com uma estrela (Margaret Sullavan). Ele consegue realizar o sonho de conhecê-la com uma boa dose de cara de pau necessária nessas horas. A trama é bastante simples, e o final um pouco previsível. Mas a história de um soldado que consegue conhecer sua ídola é algo bem motivador naqueles tempos de guerra.

Que Papai Não Saiba / Vivacious Lady (1938)

Existe um total de zero chances de um filme com essa dupla dinâmica dar errado: estou falando dele com a Ginger. Aqui o ator é um professor universitário que se apaixona e casa-se com uma cantora num impulso. E agora para apresentar à família? Adoro-o em suspenses, mas ele tinha um ótimo timing também para comédias.

A Mulher Faz o Homem / Mr. Smith Goes to Washington (1939)

Se havia dois atores que conseguiam incorporar o homem idealizador e puro de Capra eram Gary Cooper e Jimmy Stewart. Eles tinham aquele olhar que inspira confiança, sabe? Aqui ele é Jefferson Smith, um senador que acredita que poderá fazer o seu melhor quando chegar ao Congresso. Ledo engano. Lá se sentirá decepcionado ao constatar que as pessoas são más, muito más. Um dos melhores filmes de Capra e da carreira de nosso ator.

A Loja da Esquina / The Shop Around Corne (1940)

Um casal troca correspondências, mas acabam se conhecendo sem querer. E não gostam nem um pouco um do outro. Existem filmes que tem a capacidade de levantar o nosso astral. E esse é um deles.E história foi tantas vezes recontada depois disso: lembrem-se da versão de 1949 trazendo Judy Garland e Van Johnson e mais recentemente o Mens@gem pra você (11998). Mas essa é especial. Quer outro motivo para ver? É mais um da dupla com Margaret Sullavan.

Núpcias de Escândalo / The Philadelphia Story (1940)

Deliciosa comédia dirigida por George Cukor. Tracy Lord está de casamento marcado com George (Stewart). Porém, dias antes da celebração ela recebe a visita de Dexter (Grant), seu ex-marido que chega para incomodar o casal. Há uma versão posterior com a Grace Kelly, mas essa é a mais adorável de todas, já que traz um elenco afiadíssimo. Jimmy está perfeito como o noivo preterido. Mas com Cary Grant o coração até fica em dúvida mesmo, Kate. Te entendo.

A Felicidade Não Se Compra / It’s a Wonderful Life (1946)

É difícil definir essas coisas, mas talvez esse seja o mais aclamado dos filmes do Jimmy e dos natais. Quem não se emociona com a trágica redenção de nosso herói George Bailey, tantas vezes sofrendo durante sua vida? É uma daquelas histórias feitas para serem vistas por toda a família e que nos final nos deixa uma mensagem motivadora de que tudo pode dar certo. E que somos especiais. Ponto para a divina direção de Frank Capra. Sempre ele.

Sublime Devoção / Call Northside 777 (1948)

Baseado em uma história real: dois homens são condenados por assassinato. 11 anos depois, sua mãe coloca um anúncio no jornal oferecendo dinheiro a quem conseguir provar que seu filho é inocente. A sublime devoção é da mãe, que junta ano após ano esse dinheiro. Sua história acaba comovendo o público, mas somente pouco a pouco o P.J. McNeal (nosso Jimmy) irá se convencer que ela está certa.

Festim Diabólico / Rope (1948)

Um ótimo suspense psicológico sobre dois estudantes que matam um terceiro, ocultam o cadáver na sala e dão uma festa. Jimmy é o professor que irá suspeitar de algo. Chegamos à primeira colaboração do ator com o mestre do suspense, e já chegaram causando. Mesmo que Hitchcock chegasse a ser discreto, o filme chegou a ser banido em algumas cidades pela suposta homossexualidade dos personagens Phillip (Farley Granger) e Brandon (John Dall). Bem, Jimmy não gostou muito de sua atuação (você está redondamente enganado, amor).

Meu Amigo Harvey / Harvey (1950)

A história deste é tão nonsense que não tinha como ignorá-lo e até amá-lo. Elwood (Stewart) é um otimista nato que tem um coelho de 2 metros como amigo imaginário. Você pode escolher se o coelho é fruto da imaginação do personagem ou acompanhar ele na insanidade. Dica: acompanhe, deixe-se levar. Jimmy declarou em uma entrevista que foi um dos papéis mais difíceis para ele, já tinha que acreditar e não acreditar no coelho invisível ao mesmo tempo. Não duvido.

E o Sangue Semeou a Terra / Bend of the River (1952)

McLyntock (Stewart) é um aventureiro, e como em todo bom western, tem um passado bastante nebuloso. Chegando no território, ele ajuda um grupo de pioneiros a se defenderem de homens perigosos. Esse foi um dos cinco filmes que o ator faria com Anthony Mann, diretor conhecido pela simplicidade de suas imagens aliada à sensibilidade visual. E vale a pena ser conferido sim.

Janela Indiscreta / Rear Window (1954)

A premissa de que todos podem ser vigiados está mais do que presente nessa segunda parceria com o Hitch. E quem olha o que não deve acaba vendo o que não deveria: E é o que acontece com L.B. Jeffries (Stewart), um fotógrafo que quebrou a perna e passa seus dias olhando as pessoas em suas janelas. Um belo dia ele vê algo que acredita ser um assassinato.

Música e Lágrimas / The Glenn Miller Story (1954)

Delícia de filme que mostra um pouco a vida do grande músico Glenn Miller. Uma curiosidade: na noite de estréia de Música e Lágrimas, a mãe do verdadeiro Glenn estava presente. Ela chegou a comentar que gostou muito da história, mas que seu filho, morto poucos anos antes, era muito, mas muito mais gato que o Jimmy. Esse era um dos filmes que June Allyson tinha orgulho de ter participado. Um lindo technicolor.

Um Certo Capitão Lockhart / The Man From Laramie (1955)

James Stewart estrela essa que foi a sua última colaboração nos cinco filmes que fez com Mann. Aqui, Stewart é um oficial do exército que chega a uma cidade disposto a vingar a morte de seu irmão, mas que tem seus planos abalados pelos Waggoman, tradicional família local. O filme é descrito como uma versão ocidental de Rei Lear, de William Shakespeare. Ele começa a investigar quem terá sido o assassino, mas acaba se envolvendo em algumas armadilhas plantadas por ele. Escrevi um pouco mais sobre esse filme nessa matéria.

Sortilégio de Amor / Bell, Book and Candle (1958)

Jimmy já era um senhor de certa idade nesta época (já estava com 50 anos). Aqui ele se torna um objeto de desejo da linda bruxinha Gillian (Kim Novak). Ela fará de tudo para que ele rompa seu noivado com outra moça e embarque numa relação com ela. Curiosamente esse ano parece que foi agitado para a dupla, já que estrelaram também o filme Hitchcockiano abaixo.

Um Corpo Que Cai / Vertigo (1958)

Cada frame desse filme é um espetáculo, como a maior parte dos filmes do Hitch. Mas o diretor não considerou isso na época, culpando o ator pelo fracasso da película junto ao público. Dentre as acusações, ele falava que Jimmy estava velho demais para o personagem. Mas o tempo rendeu honras a Vertigo, que se tornou um dos seus filmes mais aclamados. E, convenhamos, não seria o mesmo sem Jimmy.

Anatomia de um Crime / Anatomy of a Murder (1959)

Chegando ao fim dessa viagem entre os trabalhos de Jimmy, trago agora um filme maravilhoso e longo. Mas não se assuste, vá na fé. Otto Preminger raramente errava. O roteiro acaba te envolvendo e trazendo personagens dúbios. O ator traz uma de suas melhores performances. Uma verdadeira obra prima. E para quem gosta de filmes de tribunal, um prato cheio.

Comente Aqui!