A Felicidade Não Se Compra (1946)

1896

A Felicidade Não se Compra se transformou em um dos filmes absolutos do natal, mas que podem ser vistos em qualquer época do ano. O clássico dirigido por Frank Capra traz a história de George é a história de cada um de nós, que em determinando momento da vida vemos nossos sonhos e perspectivas de vida serem jogados no chão. O personagem é a personificação daquele momento em que julgamos que nossa presença no mundo não faz diferença, quando pensamos que nossa ausência seria melhor para todos.

George é daquelas pessoas boas, e que parecem sempre abrir mão de seus sonhos por algo que acontece. Ainda na infância, perde parte da audição por salvar seu irmão mais novo. Já adulto, desiste de cursar uma universidade para salvar desta vez a empresa de seu pai, e com ela a vida de diversas de pessoas que dependem dela. Também se frusta quando o irmão retorna da universidade paga por ele e decide não tomar seu lugar, para que George possa então partir. Mais tarde também investe o dinheiro que seria de sua lua de mel para salvar mais uma vez a empresa. Com tudo isso o estresse bate em sua porta, e ele se vê naqueles momentos em que não tem mais fé em nada, nem na família, nem no trabalho, nem na vida.


A história foi baseada no conto The Greatest Gift, de Philip Van Doren Stern, que conta a história de um homem que pensa em suicídio quando nada mais dá certo em sua vida. A história publicada em 1939 chamou a atenção dos executivos da RKO, que tencionavam trazer Cary Grant como o personagem central, mas acabou sendo substituído por James Stewart. Outro nome cogitado na época foi também Henry Fonda.

Para o papel de Mary, foram consideradas as atrizes Olivia de Havilland e Laraine Day. Ginger Rogers não aceitou o convite por considerar o papel pequeno demais para o tamanho de sua fama. Viriam compor o elenco central Donna Reed e o aclamado Lionel Barrymore. Os custos de produção foram altos para a época: algo em torno de US $ 6,3 milhões, que não foi coberto pela bilheteria. No entanto, o filme seria agraciado com cinco indicações ao Oscar, dentre eles o de Melhor Filme e Ator (James Stewart).


O filme estreou em 20 de dezembro de 1946 e teve uma recepção mista, com muita gente criticando o sentimentalismo do roteiro. Até o FBI chegou a lançar uma nota afirmando que o filme traz uma tentativa óbvia de desacreditar pessoas ricas (na figura do banqueiro interpretado por Barrymore) que na concepção do roteiro, seriam odiáveis e egoístas. De fato A Felicidade Não Se Compra só seria elevado à categoria de um clássico amado várias décadas depois de sua estréia, justamente quando passou a ser passado na televisão durante o natal. Atualmente ele tem uma média de 93% no site Rotten Tomatoes, referência de críticas.

Alguns Fatos sobre o filme, segundo o IMDB:

– Donna Reed de fato conseguiu quebrar a janela na cena em que atira uma pedra no casarão antigo. A atriz jogou baseball na escola e tinha um braço forte.

– A cena da dança do ginásio foi feita em uma escola em Beverly Hills. O conjunto de Bedford Falls foi construído nos estúdios RKO Encino Ranch. A área é agora um bairro residencial.

– James Stewart ficou de fato abalado na cena em que reza no bar. Durante as filmagens, ele foi às lágrimas. O ator também ficou nervoso durante a cena do beijo, que seria seu primeiro após o seu retorno depois da guerra. A cena foi feita em apenas um take e sem ensaio. Parte da cena teve que ser cortada pelos censores que a acharam apaixonada demais.

– Esse era o filme preferido de Frank Capra e George Bailey era o personagem favorito do ator James Stewart.

– Várias sequências foram cortadas, e a única coisa que resta delas são pequenas fotos. Dessas cenas, vários finais alternativos. Em um deles, George cairia de joelhos fazendo uma oração ao senhor. O tom excessivamente religioso fez com que Capra desistisse desse final.

– Essa foi a única vez que Frank Capra produziu, financiou, dirigiu e roteirizou inteiramente um filme.- Jean Arthur não aceitou o convite para participar do filme por estar comprometida com uma peça na Broadway. Arthur já tinha trabalhado com Stewart em dois outros filmes do Capra: A Mulher Faz o Homem (1939) e Do Mundo Nada se Leva (1938).

– Uma versão colorizada foi lançada contra a vontade de Frank Capra. No entanto ele não pode fazer nada a respeito, já que o filme supostamente já estava em domínio público. Esta versão foi retirada de circulação em 1993 quando os direitos autorais foram restaurados. Mas a Paramount produziu outra versão colorizada e lançou em 2007.

 

* O filme foi lançado pela Classicline e encontra-se à venda nas principais lojas do ramo. Você pode também adquirir pela Livraria Cultura.

Comente Aqui!